Como Falar Da Divindade De Jesus Cristo Com As Testemunhas De Jeová – Capítulo 11 – Sim! Você Deve Acreditar na Trindade

Sim! Você Deve Acreditar na Trindade

Você já alguma vez sentiu desânimo depois de apresentar os textos-padrão que provam a Divindade de Jesus e a Trindade, e perceber que o seu amigo Testemunha de Jeová não ficou convencido? Existem três razões para isso:

  1. CONCEITOS ERRÔNEOS ACERCA DA TRINDADE: As Testemunhas de Jeová têm vários equívocos acerca do que os Cristãos acreditam em relação à Divindade de Cristo e ao Deus Trino. Temos de considerar os seus equívocos e abordar os textos onde se baseiam como suporte para a sua posição, antes de poderem compreender o apoio Bíblico que temos para a nossa posição.
  1. FALSA AUTORIDADE: As Testemunhas de Jeová acreditam que os líderes da organização Torre de Vigia são designados por Deus para atuar como Seus supremos representantes na terra. Para manterem sua boa posição com a organização, é-lhes requerido aceitar, sem questão, todos os ensinos e políticas apresentadas pelos seus líderes. Assim, quando a leitura explícita de uma passagem da Escritura, contradiz uma crença doutrinal mantida pelos seus líderes, eles questionarão a sua própria habilidade para entender o significado da passagem da Escritura, antes de questionar a própria crença. Nós temos de minar a confiança em seus líderes, antes de eles aceitarem livremente a clara e simples interpretação das passagens da Escritura que diferem daquilo que lhes foi ensinado. 
  1. CEGUEIRA ESPIRITUAL: Satanás, “o deus deste mundo,” tem cegado a mente das Testemunhas de Jeová para que não possam ver a “Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Coríntios 4:4). Nós temos de nos lembrar que estamos envolvidos numa batalha espiritual pelas suas mentes e corações. Esta batalha transcende o mero entendimento intelectual. Nós temos de implorar o Espírito do Deus Vivente para os libertar, de modo que possam dizer, “Jesus é de fato Senhor, Jeová!” (Veja 1 Coríntios 12:3). 

Os passos seguintes irão guiá-lo para apresentar eficazmente a Divindade de Jesus Cristo, em termos que os seus amigos Testemunhas de Jeová possam compreender. Embora não haja garantia que eles sejam convencidos pelos conceitos apresentados aqui, no nosso ministério às Testemunhas de Jeová, temos encontrado estes conceitos como essenciais para demolir o falso raciocínio que a maioria das Testemunhas de Jeová tem abraçado sobre este assunto.

1º Passo: Explique como a crença de que Jesus é Deus afeta a salvação.
2º Passo: Articule um acurado entendimento da doutrina da Trindade.
3º Passo: Enfatize que Jesus não é o Pai.
4º Passo: Remova os textos usados pela Torre de Vigia usados como prova contra a Divindade de Cristo.
5º Passo: Discuta as limitações da humanidade de Jesus e como se relacionam com a sua Pessoa Divina.
6º Passo: Prove como a submissão à autoridade não afeta a natureza.
7º Passo: Apresente textos bíblicos como prova para a Divindade de Cristo e a Trindade.
8º Passo:. Remova a barreira da autoridade da Torre de Vigia.

1º PASSO: EXPLIQUE COMO A CRENÇA DE QUE JESUS É DEUS AFETA A SALVAÇÃO

A crença na Trindade não pode salvar a pessoa. É o Evangelho de Cristo que “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Romanos 1:16). Salvação é um trabalho de Deus, não nosso. Nenhum conjunto de argumentos acerca da Divindade de Cristo pode salvar ou convencer alguém da verdade sobre a Trindade porque as Escrituras claramente dizem:

“…ninguém pode dizer: Senhor Jesus!, senão pelo Espírito Santo.”— 1 Coríntios 12:3

As Testemunhas de Jeová não têm o Espírito Santo. A Sociedade Torre de Vigia ensinou-lhes que a “adoção” espiritual e o privilégio de ser “nascido de novo” está reservado apenas a 144.000 pessoas. Visto que a maioria das Testemunhas de Jeová não fazem parte deste grupo, é provável que os seus amigos Testemunhas de Jeová não pensem que podem ser nascidos de novo. Enquanto rejeitarem o Novo Pacto, eles se excluem a si próprios da vida eterna (João 6:53). Além disso, Romanos 8:8-9 e 14, demonstra que sem o Espírito Santo, que é recebido por “adoção”, as pessoas não podem ser guiadas pelo Espírito de Deus e sem a liderança do Espírito Santo, seus amigos não podem dizer “Jesus é Senhor / Jeová” (1 Coríntios 12:3). Pode ver a situação delicada em que seus amigos Testemunhas de Jeová se encontram?

Então para não permitir que as discussões sobre a doutrina da Trindade se tornem uma pedra de tropeço para a salvação de seus amigos Testemunhas de Jeová, use-a como um trampolim para apresentar o Evangelho primeiro. Você pode fazer isso por explicar como a crença da Torre de Vigia de que Jesus não é Deus, retém os seus amigos Testemunhas de Jeová da salvação. Aqui está uma aproximação passo-a-passo simples para apresentar o Evangelho:

  1. JOÃO 17:3 – Relembre aos seus amigos Testemunhas de Jeová que Jesus claramente ensinou que a vida eterna consiste em conhecê-lo (João 17:3).
  1. JOÃO 5:39-40 – Declare que Jesus disse que nós temos de “ir a” Ele (João 5:39-40) para salvação e para a dádiva da vida eterna (João 10:27-28).
  1. 1 CORÍNTIOS 1:9 – Pergunte aos seus amigos Testemunhas de Jeová se o ensino da Torre de Vigia de que Jesus não é Deus, lhes permite orar diretamente a Jesus. Eles provavelmente dirão que “não” porque a oração é uma forma de adoração reservada apenas para Deus. Assim que eles admitirem o facto de que não oram diretamente a Jesus, pergunte-lhes como podem eles pessoalmente “conhecer” alguém (João 17:3) ou ter “companheirismo” (1 Coríntios 1:9) com essa pessoa se não lhes é permitido falar com essa pessoa.
  1. MARCOS 2:7-11 e JOÃO 6:45 – Enfatize que ir “através” de Jesus a Deus o Pai, assim como Ele nos ordena em João 14:6, requer que nós oremos diretamente a Jesus por perdão pelos nossos pecados e tratando com Ele antes de podermos ir ao Pai com nossos pedidos. Recorde-os de que este é o arranjo de Jeová Deus para a vida e o perdão de pecados, porque Ele é o Único que deu toda a autoridade a Jesus para perdoar pecados (Marcos 2:7-11). Então, visto que é Jeová Deus que ordena que vamos a Jesus em oração para perdão (João 6:45), então é por isso que temos de crer que Jesus é Deus porque apenas Deus pode perdoar os pecados que cometemos contra Ele (Marcos 2:7).

Finalmente, declare às Testemunhas de Jeová que as Escrituras ensinam que temos de lavar os nossos pecados por “invocar” o nome de Jesus (Atos 22:16). Então do mesmo modo que nós “invocamos” o nome de Jeová em oração (Romanos 10:13, TNM), nós temos de dirigir nossas orações a Jesus porque é apenas no Seu nome que recebemos a salvação (Atos 4:12). Esclareça que a menos que recebamos o perdão de Jesus (Marcos 2:10-11), nós não podemos chamar Deus “Pai”. É por isso que Jesus ensinou seus discípulos a orar “Nosso Pai” (Mateus 6:9), porque eles já tinham seus pecados perdoados por Cristo em João 13:10. Mas os seus amigos Testemunhas de Jeová não têm este privilégio de chamar Deus “Pai”, porque eles recusaram vir a Jesus para perdão. Relembre-os de que a menos que venham a Jesus em oração para salvação, ele não receberão vida eterna, não importa quanto estudo da Bíblia eles tenham (João 5:39-40). É assim que inicia a discussão sobre a Divindade de Cristo com ênfase no Evangelho. Para mais informações sobre apoio das Escrituras para a prática da adoração de Jesus, veja os seguintes capítulos do livro Sim! Você Deve Acreditar na Trindade!:

  • CAPÍTULO 8: “ADORE A DEUS NOS SEUS TERMOS”
    http://4witness.org/jwysbt/ysbt_ch8.php

 

PASSO: ARTICULE UM ACURADO ENTENDIMENTO DA DOUTRINA DA TRINDADE.

Antes de defendermos adequadamente a doutrina da Trindade e a Divindade de Jesus Cristo, nós temos de ter um entendimento correto do que é a Trindade e o que não é.   

A Trindade é o entendimento de que as três pessoas mencionadas na Bíblia: Pai, Filho (i.e., Jesus) e o Espírito Santo são um Deus. Este Deus Triúno é chamado “Jeová” no Velho Testamento e “Senhor” no Novo Testamento. Cada pessoa da Divindade é distinta na Sua Personalidade, no entanto, cada uma é igual em natureza e eterna na substância incriada. Juntas como um e único verdadeiro Deus, eles co-existem, co-criam e co-governam este mundo atual. Existe uma hierarquia funcional entre os membros deste Deus Triúno. O Pai, sendo a suprema pessoa em autoridade, envia Seu “Filho” Jesus Cristo para redimir a humanidade, e o Filho envia o Espírito Santo para habitar nos crentes cristãos. Durante a incarnação (vinda de Cristo à terra), Jesus adicionou a natureza humana à Sua Pessoa Divina. Assim, foi quando ele operou debaixo das limitações da Sua humanidade que Ele foi incapaz de fazer coisas que, de outro modo, Ele poderia ter realizado como Deus.

Conceitos errados com respeito à Trindade ocorrem quando a doutrina é definida erradamente em termos Modalistas ou Triteístas. Modalismo é o entendimento de que os Pai, Filho e Espírito Santo operam não apenas como um único Deus, mas como uma pessoa manifestando-se de vários modos em diferentes tempos e lugares. Nesta visão, a pessoa de Deus pode aparecer como o Pai. Em outros tempos, Ele aparece como o Filho e também, como o Espírito Santo, mas sendo sempre a mesma pessoa. O problema com este entendimento é que se Deus é realmente “uma pessoa”, Ele é incapaz de se manifestar como Pai, Filho e Espírito Santo ao mesmo tempo. Assim, teremos de anular passagens das Escrituras, tais como Mateus 3:16, quando no batismo de Jesus, todas as três pessoas se manifestaram, e em Gênesis 1:26 onde Deus se refere a Ele mesmo com pronomes plurais tais como “Nós” e “Nossa.”

Triteísmo é o exatamente oposto ao Modalismo. Ensina que as três pessoas (Pai, Filho, Espírito Santo) são, não apenas distintos na sua personalidade, mas também são “Deuses” separados. Nos terceiro e quarto séculos, a Igreja derrotou claramente esta visão em favor do claro ensino da Escritura, de que há apenas um Deus verdadeiro (João 17:3).

Foi assim que este Ser singular a que podemos chamar Deus Triúno, veio a ser definido como sendo três Pessoas distintas em uma substância. Durante o quarto século, numa tentativa de prevenir que as visões Modalistas e Tritéistas de Deus fossem promulgadas nas Igrejas Cristãs, este credo foi codificado no Credo de Atanásio.  Ao longo dos séculos, o Credo de Atanásio tem servido como o padrão aceito pelo qual os Cristãos definem a doutrina da Trindade. Então quando uma pessoa está testemunhando uma Testemunha de Jeová, é normalmente necessário apelar a este credo de modo a contradizer os entendimentos Modalisticos da Trindade, apresentados na literatura da Torre de Vigia.

Detalhes da enganosa representação da doutrina da Trindade pela Torre de Vigia e como responder a objeções comuns a elas, por citar as Escrituras e o Credo Atanasiano, podem ser através do nosso livro Sim! Você Deve Acreditar na Trindade! Mas aqui estão alguns poucos, mas específicos exemplos, encontrados na brochura da Torre de Vigia, sobre a Trindade:

“Jesus mostra aqui que ele e o Pai, isto é, o Deus Todo-poderoso, têm de ser duas pessoas distintas, pois, senão, como haveria realmente duas testemunhas? … Dizia Deus que ele mesmo era seu próprio filho, que ele aprovara a si mesmo, que enviara a si mesmo? Não.… A quem orava ele? A uma parte de si mesmo? Não…. A quem clamava Jesus? A si mesmo, ou a uma parte de si mesmo? A quem clamava Jesus? A si mesmo, ou a uma parte de si mesmo? … Se você comparecesse à presença de outra pessoa, como poderia você ser aquela mesma pessoa? Não poderia ser. Você teria de ser uma pessoa diferente e à parte.… Alguém que está “com” outra pessoa não pode ao mesmo tempo ser aquela outra pessoa.” —Deve-se Crer na Trindade?, págs. 17-19, 27

Nós teremos de concordar que diversas passagens demonstram a distinção entre a Pessoa do Pai e a Pessoa do Filho, mas tais argumentos não têm fundamento contra a doutrina da Trindade, porque esta ensina:

“…há apenas uma Pessoa do Pai, outra do Filho, e outra do Espírito Santo… Porque, assim como somos compelidos pela verdade Cristã a reconhecer cada Pessoa por Si Mesma como sendo Deus e Senhor, assim somos proibidos pela Religião Católica [Cristã] a dizer que há Três Deuses ou Três Senhores.” — Credo de Atanásio

Visto que a Trindade ensina a distinção de cada uma das “Pessoas” da Divindade, todos os argumentos demonstrando isto são inválidos.

Outro argumento proposto pela Torre de Vigia que se torna inconsequente quando a doutrina da Trindade é corretamente definida, é a afirmação de que Jesus não pode ser “igual” ao Pai se ele está em sujeição a Ele. A Torre de Vigia afirma:

“O conceito da Bíblia é claro. Não apenas é o Todo-poderoso Deus, Jeová, uma personalidade à parte de Jesus, mas Ele é sempre superior…. E é por isso que o próprio Jesus disse: “O Pai é maior do que eu.’—João 14:28” — Deve-se Crer na Trindade?, pág. 20

Aqui novamente, os argumentos da Torre de Vigia falham quando a doutrina da Trindade é corretamente definida. Concernente à natureza de Jesus Cristo, o Credo de Atanásio explica:

“Igual ao Pai como tocando a Sua Divindade, e inferior ao Pai tocando a Sua humanidade; Que, embora seja Deus e Homem, contudo Ele não é dois, mas um Cristo.”

3º PASSO ENFATIZE QUE JESUS NÃO É O PAI.

Devido às Testemunhas de Jeová terem um entendimento modalístico sobre a doutrina da Trindade, quando elas ouvem você dizer: “Jesus é Deus,” elas automaticamente assumem que você diz: “Jesus é o Pai.” Imediatamente, versículos das Escrituras que demonstram a distinção entre o Pai e o Filho, vêem às suas mentes. Para antecipar esse argumento, diga ao seu amigo Testemunha de Jeová:  

  • Eu acredito que Jesus é Deus, mas EU NÃO acredito que Jesus é o Pai.

Faça uma pausa, e deixe-os perguntarem-lhe como pode acreditar que Jesus é Deus, sem acreditar que Ele é o Pai. Visto que as Testemunhas de Jeová estão acostumadas a irem diretamente aos seus argumentos acerca da distinção entre o Pai e o Filho, eles podem perder o ponto principal que está fazendo acerca de Jesus não ser a mesma pessoa que o Pai. Se isto ocorrer, não debata os textos que eles apresentam. Apenas repita a sua declaração acerca de Jesus não ser o Pai, até que eles o questionem sobre o que significa para si Jesus ser Deus, mas não o Pai. Assim que perguntarem, você está pronto a avançar para o ponto seguinte abaixo. 

Use uma analogia humana para explicar a relação de Jesus com o Pai. As Testemunhas de Jeová têm dificuldade em entender como ambos, o Pai e o Filho, podem co-existir como duas pessoas distintas, contudo ser apenas um Deus. Para ajudar a comunicar este conceito, nós achamos de ajuda, desenhar uma analogia entre a natureza de Deus e a natureza humana. Pergunte às Testemunhas de Jeová:  

  • Vocês acreditam que um filho humano é menos humano que seu pai?

(As Testemunhas de Jeová responderão “Não.”)

  • Então, como pode Jesus, como Filho de Deus, ser menos Deus do que Seu Pai que é Deus?

Assim como um filho não é mais, nem menos “humano” que seu pai, assim Jesus, como Filho de Deus, não é mais nem menos “Deus” que seu Pai que é “Deus.” É por isso que os Judeus procuraram apedrejar Jesus por blasfémia. Eles entenderam a afirmação de Jesus de que era o “Filho de Deus” como uma afirmação que o fazia “igual” em natureza com o único e verdadeiro Deus (Veja João 5:18; 19:7; c.f., Levítico 24:16). É por isso também que Jesus chamou ao Pai de Seu “Deus” em João 20:17. O Seu Pai seria sempre Seu “Deus”, assim como nossos pais humanos serão sempre nossos ancestrais “humanos.”

Indicando o facto de que os anjos são chamados “filhos de Deus” em Jó 38:7, uma Testemunha de Jeová pode objetar às suas conclusões por dizer que Jesus estava afirmando ser um anjo, e não o próprio Deus. A esta objeção, será que a Testemunha de Jeová leu Hebreus 1:5 que diz, conforme a Bíblia Tradução do Novo Mundo, “Por exemplo, a qual dos anjos disse ele alguma vez: “Tu és meu filho; hoje eu me tornei teu pai”? E, novamente: “Eu é que me tornarei seu pai e ele é que se tornará meu filho”?” Então faça as seguintes perguntas à Testemunha de Jeová:

  • Visto que a Bíblia não se contradiz a si própria, porque Hebreus 1:5 diz que Deus nunca disse: “Tu és Meu Filho” a qualquer um dos Seus anjos?
    • Não significa isso que Jesus é chamado de “Filho de Deus” num sentido diferente daquele usado em referência aos anjos, quando estes são chamados filhos de Deus?
  • O que a Bíblia quer dizer quando afirma que Jesus é o “Filho do Homem” em Mateus 26:64?
    • Visto que Deus não é um homem (Oséias 11:9), poderá ser que, visto Jesus ser o “Filho do Homem”, ele o ser devido a possuir a natureza de homem, sendo plenamente humano?
    • Devido a Jesus ser chamado de “Filho do Homem” porque Ele é 100% humano, o que pensa que significa quando as Escrituras chamam a Jesus de “Filho de Deus”? Ele tem de ser 100% Deus, certo?

Como exemplo de como usar esta analogia para responder às objeções das Testemunhas de Jeová, veja os seguintes diálogos fictícios entre Susana, que é Testemunha de Jeová, e Isabel que é uma Cristã, do nosso livro O Que Deus Requer—Respostas Bíblicas a Perguntas que as Testemunhas de Jeová Fazem colocados no nosso website em:

DIÁLOGO FICTÍCIO SOBRE JOÃO 1:1:
Como pode Jesus estar “com” Deus e ao mesmo tempo Ser Deus?

4º PASSO: REMOVA OS TEXTOS USADOS PELA TORRE DE VIGIA USADOS COMO PROVA CONTRA A DIVINDADE DE CRISTO.

As Testemunhas de Jeová apontam para um número de textos que usam para provar os seus argumentos, de que a Bíblia não ensina que Jesus é Deus. Até que você exponha o falso raciocínio por detrás do uso destas Escrituras, as Testemunhas de Jeová não estarão abertas à forte evidências das Escrituras para a Divindade de Cristo. Os textos bíblicos mais usados como prova contra a Divindade de Cristo são Colossenses 1:15, Revelação 3:14 e Provérbios 8:22. Você pode responder a tais Escrituras por explicar o seguinte:

  • Colossenses 1:15 – “Primogénito” não significa que Cristo é o “primeiro criado”, mas antes que ele está acima da criação.
  • Revelação 3:14 – “Princípio” não significa que Cristo é parte da criação que Ele iniciou, mas antes que Ele é o “Principiante” da Criação.
  • Provérbios 8:22 – Sabedoria é trazida para participar na Criação e, assim como a sabedoria é tão eterna como Deus é, assim Cristo é o Deus eterno.

Uma exposição detalhada destas Escrituras é encontrada no Capítulo 4 do nosso livro Sim! Você Deve Acreditar na Trindade!, mas você também poderá apreciar a discussão destas Escrituras no diálogo fictício entre entre Susana, que é Testemunha de Jeová, e Isabel que é uma Cristã, do nosso livro O Que Deus Requer—Respostas Bíblicas a Perguntas que as Testemunhas de Jeová Fazem:

DIÁLOGO FICTÍCIO SOBRE COLOSSENSES 1:15-19 –
Foi Jesus criado como o “Primogénito” de Deus?

5º PASSO: DISCUTA AS LIMITAÇÕES DA HUMANIDADE DE JESUS E COMO ELAS SE RELACIONAM COM A SUA PESSOA DIVINA.  

As objeções mais comuns que as Testemunhas de Jeová levantam contra a crença de que Jesus é Deus é o facto de que nenhum humano viu a Deus (João 1:18), mas Jesus foi visto (João 1:14); Deus não pode morrer (Habacuque 1:12), mas Jesus morreu (Filipenses 2:8); Deus não pode ser tentado (Tiago 1:13), mas Jesus foi tentado (Mateus 4:1); Deus sabe todas as coisas (1 João 3:20), mas Jesus não sabe o dia e a hora do Seu regresso (Mateus 24:36; Marcos 13:32).

Para responder a estas objeções, explique à Testemunha de Jeová de que, por causa de Deus na sua própria natureza não puder ser visto, tentado, ou fisicamente ser morto para pagar os pecados da humanidade, foi necessário a Jesus adicionar a natureza humana à Sua pessoa Divina, de forma a poder redimir a humanidade. Filipenses 2:5-10 explica como Jesus continuou a existir na “forma” de Deus (i.e., natureza), mas renunciou ao Seu direito de gozar igualdade com Deus, de modo a que Ele pudesse limitar a Si próprio à natureza humana que ele havia adotado de modo a redimir a humanidade. Assim, por adicionar a dimensão humana à Sua Divina pessoa, Jesus tornou-se a “imagem do Deus invisível” (Colossenses 1:15).

 

NOSSA RESPOSTA À CARTA DE UMA TESTEMUNHA DE JEOVÁ QUE PERGUNTOU “COMO PODE JESUS SER DEUS? ”

Alguns anos atrás o nosso ministério recebeu a seguinte carta de uma Testemunha de Jeová, cujo amigo cristão discutira a Trindade e a Divindade de Jesus Cristo com ele. Tal como muitas Testemunhas de Jeová que encontramos, ele levantou muitas das típicas objeções contra a doutrina que são discutidas no livro. Assim, demos as respostas que ele necessitava e mais tarde soubemos que ele aceitou Jesus como o Verdadeiro Jeová Deus após as nossas respostas abaixo. Louvado seja Deus!

CARTA DE UMA DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

“Olá! Eu sou uma Testemunha de Jeová. No entanto, antes de estudar com as Testemunhas de Jeová, eu sempre achei que a Bíblia ensina que Jesus não é o Deus Todo-Poderoso, nem parte de uma Trindade.  Não vejo igualdade entre o Pai e o Filho. O Filho foi tentado pelo Diabo (Mateus 4:1), enquanto que Deus não pode ser tentado pelo mal (Tiago 1:13). Se o Filho fosse Deus, como poderia a tentação ser real, por oferecer de volta a Deus, algo que Ele mesmo tinha dado a Satanás (Mateus 4:8-9)? O Filho não sabe o dia e a hora, só o Pai sabe (Mateus 24:36). A vontade do Filho é distinta e pode ser diferente da vontade do Pai (Mateus 26:39). O Filho só pode fazer o que Ele vê o Pai fazer (João 5:19), enquanto que o Pai pode fazer todas as coisas (Mateus 19:26). O Filho só tem o poder e a autoridade que Lhe foi “dada” pelo Pai (Mat. 28:18), e o Filho irá renunciar a esse poder no futuro (1 Coríntios 15:24-28). Acima de tudo, o Filho diz que o Pai é “maior” do que ele e que o seu Pai é o seu “Deus.” Se o Filho tem um Deus, como pode ele ser o próprio Deus? Há muito mais que eu poderia escrever, mas tudo isto é bastante convincente, não deixando margem para duvida. Não é? Que o “Rei sobre todos os [outros] deuses,” Jeová vos abençoe. – Salmos 95:3.”

A NOSSA RESPOSTA:

Obrigado por tomar tempo para contactar-nos com a sua convicção de que Jesus não é Deus. Na verdade, é uma tarefa admirável tentar ser uma verdadeira “testemunha” de Jeová, estudando para defender com precisão a identidade do único Deus verdadeiro (João 17:3; 1 João 5:20). Sua análise estudiosa das Escrituras nesta matéria deve ser elogiada.

Em resposta às suas questões, vamos começar por discutir primeiro o que os Cristãos tradicionais querem dizer, quando eles/nós dizemos que “Jesus é Deus.” Nós acreditamos que como Deus (João 1:1), Jesus possui a natureza integral do único Deus verdadeiro (Colossenses 1:19; 2:9), ainda assim, nós NÃO acreditamos que Jesus é o Pai. Como você corretamente observou, quando mencionou que a vontade do Filho é distinta da vontade do Pai, as Escrituras fazem uma clara distinção entre a pessoa do Pai e a pessoa do Filho.

Nós vemos a relação de Jesus com o Pai, da mesma forma que se poderia ver a relação entre um pai humano e  seu filho. Assim como o filho  é uma pessoa distinta de seu pai e está subordinado à sua vontade, também Jesus como Filho de Deus é uma pessoa distinta de Deus o Pai e está subordinado à vontade de Deus o Pai. No entanto, assim como o filho humano possui a mesma natureza “humana” que seu pai, também Jesus como filho de Deus possui a mesma natureza de “Deus” que Seu pai.  É por isso que os Judeus tentaram apedrejar Jesus por blasfémia. Eles entenderam a reinvindicação de Jesus de ser o “Filho de Deus”, como uma afirmação que fazia Dele “igual” na natureza, ao único Deus verdadeiro (Veja João 5:18; 19:7; c.f., Levítico 24:16).  É também por isso que Jesus chamou o pai de Seu “Deus” em João 20:17. O Seu Pai seria sempre o Seu “Deus,” assim como os nossos pais humanos serão sempre os nossos antepassados “humanos”. 

Da mesma forma que não se argumentaria que um filho humano é um “humano” inferior simplesmente porque o seu pai está numa posição “maior” como líder da família, também seria incorreto argumentar que Jesus é um “Deus” inferior simplesmente porque o Seu Pai está numa posição “maior” de autoridade (João 14:28).  Em Lucas 2:51, lemos que Jesus “continuou em sujeição” a Maria e José visto eles estarem numa posição de maior autoridade sobre ele neste momento da sua vida terrena. Será que devemos alegar que Jesus era inferior a eles? Tenho a certeza que agora você vê o nosso ponto de vista de que submissão à autoridade não denota uma natureza inferior. Sendo assim, as referências Bíblicas para este efeito (ou seja João 5:19; Mateus 28:18; 1 Coríntios 11:3 e 15:24-28) não têm qualquer relação com o facto de Jesus ser um “Deus” inferior ou não.

Vamos agora abordar a sua preocupação com as passagens Bíblicas que mostram as capacidades  limitadas de Jesus em comparação com as de Deus o Pai. Deus na Sua natureza não pode ser visto (João 1:18), tentado (Tiago 1:13), nem morrer fisicamente (Habacuque 1:12). No entanto, todas essas coisas eram necessárias a Jesus de modo a pagar o preço final para cobrir os pecados da humanidade (Hebreus 9:22). Então, a solução foi Jesus adicionar a natureza humana à sua pessoa Divina. Filipenses 2:5-10 explica como Jesus continuou a existir na “forma” de “Deus” (i.e., natureza), contudo Ele renunciou ao Seu direito de usufruir de igualdade com Deus para que Ele se pudesse limitar à natureza humana que tinha adotado. Nessa altura, Ele experimentou tudo o que nós experimentamos (Hebreus 4:15), e Ele morreu para pagar o preço dos pecados da humanidade. Assim, adicionando uma dimensão humana à Sua pessoa divina (Colossenses 2:9), Jesus tornou-se a imagem visível da “imagem do Deus invisível” (Colossenses 1:15).

Você perguntou, “Se o Filho fosse Deus, como poderia a tentação ser real por oferecer a Deus de volta algo que Ele próprio já tinha dado a Satanás (Mateus 4:8-9)?”  Vamos colocar esta questão ao contrário. As Testemunhas de Jeová acreditam que Jeová criou Jesus e que Jesus criou tudo o resto, certo? Na tentação anterior, Satanás disse a Jesus que transformasse as pedras em pão (Mateus 4:3-4). Usando a sua lógica, como poderia haver alguma tentação em convidar Jesus a transformar as pedras em pão, se Ele realmente é Aquele que primeiro criou as pedras? Está a ver o problema desta lógica? O seu argumento assume que Jesus não é Deus, porque Satanás estava a tentar tentá-Lo com os reinos deste mundo, sobre os quais Deus já tivera autoridade. Mas se usarmos este raciocínio, também teríamos que afirmar que Jesus não poderia ser o Criador, porque Satanás estava a tentar tentá-Lo com algumas pedras sobre as quais Jesus já tivera autoridade como seu Criador. Nós sabemos, é claro, que este argumento não pode ser verdadeiro porque as Escrituras são claras em dizer que Jesus é o Criador (Colossenses 1:16-17; João 1:3), assim como são claras em dizer que Jesus é Deus.  Então, o verdadeiro teste não era se Jesus era Deus ou o Criador. O verdadeiro teste consistia em saber se Jesus iria pôr de lado as limitações da Sua natureza humana e operar como Deus, antes do momento previsto de fazer isso. Na verdade este foi um teste real porque, como Deus, Ele poderia facilmente pôr de lado a Sua natureza humana e tomar os reinos de volta de Satanás antes de tempo (veja Atos 17:31).

Finalmente, para concluir, gostaria de abordar a sua preocupação com o facto de Jesus nem sempre “saber” tudo o que iria acontecer – especificamente o dia e a hora  do Seu retorno (Mateus 24:36).  Novamente, Jesus estava operando debaixo das limitações da Sua humanidade. Mas, como Deus, vemos muitos outros exemplos em que Jesus “sabia todas as coisas” (João 2:24-25; 16:30). O gráfico seguinte ilustra como Jesus limitou a Ele mesmo à limitação da sua natureza humana em certos momentos, mas expressou os atributos de Deus, da Sua natureza Divina em outros. Assim, Jesus era tanto 100% Homem (sendo o “Filho do Homem” – Mateus 26:64) e 100 % Deus (sendo o “Filho de Deus” – João 5:18; 19:7) unificados na Sua própria Pessoa. 

 

QUALIDADES DIVINAS

QUALIDADES HUMANAS

OMNIPOTÊNCIA (Poder Absoluto): Marcos 2:7-12; 14:62-64; João 2:7-11 FOME & CANSAÇO:  Lucas 4:2; João 4:6; Mateus 8:24
OMNIPRESENÇA (Presente em Toda a Parte): João 1:48; Mat. 18:20; 28:20 CORPO FÍSICO LIMITADO: Marcos 3:9; João 11:32
OMNISCIÊNCIA (Conhecimento Absoluto):  João 2:24-25; 6:64; 16:30 CONHECIMENTO LIMITADO: Marcos 13:32; João 11:34

6º PASSO: PROVE COMO A SUBMISSÃO À AUTORIDADE NÃO AFETA A NATUREZA. As Testemunhas de Jeová lutam contra o conceito de que Jesus pode submeter a Sua vontade à vontade do Seu Pai e contudo permanecer “igual” em natureza com o Pai. Elas também questionam como pode Jesus ser “igual” a Deus, e contudo proclamar em João 14:28 de que o Pai é “maior” do que Ele. Outra vez, a nossa analogia humana deve ser usada para explanar como pode ser este o caso. Pergunte à Testemunha de Jeová: 

  • No arranjo de Deus para a família, não tem o pai humano a maior autoridade dentro da família?  Embora o pai possa partilhar a sua autoridade com a mãe, não concordaria de que ele está numa “maior” posição do que todos os outros na família e de que ele é, de fato, a máxima autoridade?

(A Testemunha de Jeová certamente concordará.)

  • Será que o fato de que o pai humano está numa posição de “maior” autoridade do que qualquer um na família, prova que a sua esposa ou o seu filho ou filha são inerentemente inferiores a ele? Se é assim, iremos nós argumentar que eles são menos humanos do que o pai porque eles se submetem à sua “maior” autoridade e obedecem às suas regras e orientações?

(As Testemunhas de Jeová devem entender o seu argumento e concordar consigo, que uma pessoa que tenha menos autoridade que outra pessoa, não faz dela uma pessoa inferior ou “menos humana” que a outra pessoa com maior autoridade.)

  • Então, porque argumentar de que Jesus é inferior a Deus simplesmente porque Ele submete a Sua vontade à de seu Pai? Em Lucas 2:51, nós lemos que Jesus “continuou em sujeição” a Maria e José. Será que isso significa que Jesus era inferior a eles?

Como exemplo de como explicar este conceito às Testemunhas de Jeová, veja o seguinte diálogo fictício entre Susana, que é Testemunha de Jeová, e Isabel que é uma Cristã, do nosso livro O Que Deus Requer—Respostas Bíblicas a Perguntas que as Testemunhas de Jeová Fazem:

DIÁLOGO FICTÍCIO SOBRE JOÃO 14:28
Porque é o Pai “Maior” que Jesus?

 

7º PASSO: APRESENTE TEXTOS BÍBLICOS COMO PROVA DA DIVINDADE DE CRISTO E DA TRINDADE.

Nesta altura, os seu amigos Testemunhas de Jeová já entenderão no que você acredita concernente à Divindade de Cristo. Os seus amigos devem entender que Jesus não é a mesma pessoa que o Pai, mas contudo possui a natureza de Deus como único e verdadeiro Deus. Eles devem entender que, como Filho de Deus, Jesus é igual em natureza ao Deus Pai, mas escolheu ficar confinado às limitações de Sua humanidade enquanto na Terra, de forma a alcançar a redenção humana. Finalmente, os seus amigos deverão concordar consigo de que a submissão a alguém com “maior” autoridade, não prova uma natureza inferior.

Tendo lançado a fundação para um acurado entendimento da Divindade de Jesus, você está agora pronto para apresentar provas das Escrituras de que Jesus, é de facto, Deus. Existem muitas passagens que alguém pode apresentar, de modo a provar que Jesus é Deus, mas percebemos que as melhores escrituras são aquelas que demonstram que ambos, o Filho e o Espírito Santo possuem atributos de Deus e executam ações que apenas Jeová Deus é capaz de realizar. Veja a próxima tabela do capítulo 4 do nosso livro O Que Deus Requer—Respostas Bíblicas a Perguntas que as Testemunhas de Jeová Fazem:

QUALIDADE DIVINA O PAI O FILHO O ESPÍRITO SANTO
OMNIPRESENÇA Jeremias 23:24; 1 Reis 8:27 Mateus 28:20; 18:20; João 1:48 Salmos 139:7
OMNISCIÊNCIA Salmos 147:5; 1 Reis 8:39 João 16:30; 2:24-25 1 Coríntios 2:10-11
OMNIPOTÊNCIA Jeremias 32:17,27; Mateus 19:26; Lucas 1:37; Salmos 135:6 Mateus 28:18; João 16:15; Hebreus 1:3 Romanos 15:19
SANTIDADE Revelação 15:4 Atos 3:14 Romanos 1:4
ETERNIDADE Salmos 90:2; Romanos 16:26 Hebreus 7:3; Isaías 9:6; João 8:58 Hebreus 9:14
A VERDADE João 7:28 João 8:32,36; 14:6; Revelação3:7 João 16:13; 1 João 5:6-7
SENHOR Lucas 1:32; 10:21 Romanos 10:9; Filipenses 2:11 2 Coríntios 3:17
DEUS 1 Pedro 1:2; Filipenses 2:11 2 Pedro 1:1; Tito 2:13; João 1:1; 20:28; Hebreus 1:8 Atos 5:3-4; 1 Coríntios 3:16-17
TODO-PODEROSO Gênesis 17:1 Revelação 1:8; 22:12-13, 20 Zacarias 4:6
RESSURREIÇÃO 1 Tessalonicenses 1:10; Efésios 1:20 João 10:17-18; João 2:18-22 Romanos 1:4; 8:11

 

Para o guiar no uso de algumas destas Escrituras que provam a Trindade e a Divindade de Jesus Cristo, ao discutir este assunto com Testemunhas de Jeová, veja a seguinte lista de questões passo-a-passo encontradas no capítulo 10 do nosso livro O Que Deus Requer—Respostas Bíblicas a Perguntas que as Testemunhas de Jeová Fazem:

 

8º PASSO: REMOVA A BARREIRA DA AUTORIDADE DA TORRE DE VIGIA.

Embora os seus amigos Testemunhas de Jeová possam agora entender melhor as suas crenças, eles podem não estar prontos a concordar consigo de que Jesus é de facto, Deus. Isto acontece não apenas porque os seus amigos foram cegados por Satanás, mas porque estão comprometido a seguir a organização Torre de Vigia, e enquanto os seus amigos desejarem permanecer associados com as Testemunhas de Jeová, eles não conseguirão aceitar crenças contrárias à sua religião.

Assim, para ser eficaz em ajudar os seus amigos a vir ao verdadeiro Jesus para salvação, você deve ajudá-los a eles, a separarem-se da falsa autoridade que esta religião falsificada criou. Quando se trata de discutir a doutrina da Trindade, nós percebemos que o melhor caminho para atacar esta falsa autoridade é focarmo-nos em como a Sociedade Torre de Vigia distorce e deturpa os factos na sua brochura Deve-se Crer na Trindade? Você irá encontrar documentação fotocopiada providenciada no nosso livro Sim! Você Deve Acreditar na Trindade! e na seguinte lista de questões passo-a-passo encontradas no capítulo 10 desse livro, que serão úteis em ajudá-lo a romper o domínio da Torre de Vigia em suas mentes:

> 10 QUESTÕES PARA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SOBRE AS MENTIRAS NA BROCHURA DA TORRE DE VIGIA  ACERCA DA TRINDADE
http://dev.4jehovah.org/10-questions-for-jehovahs-witnesses-on-the-watchtower-trinity-brochure/

> SIM! VOCÊ DEVE ACREDITAR NA TRINDADE! LIVRO

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: EspanholTchecoInglês