A História da Saída de David das Testemunhas de Jeová

davidh

O TESTEMUNHO DE DAVID – Marido de Christine e ex-anciãoTestemunha de Jeová envolvido por 40 anos na Torre de Vigia

Criada como Testemunha de Jeová em Inglaterra e gastando 49 anos como prisioneiros da Torre de Vigia, David e sua mulher Christine saíram para encontrar a verdadeira liberdade em Cristo. Indo para “onde a necessidade é maior”, David serviu em várias posições de liderança dentro da organização, apenas para descobrir que os seus esforços foram recompensados com ostracização injustificada e uma genuína “falta de amor” entre os “irmãos” e “irmãs” da congregação. Apenas numa relação pessoal com Jesus, eles encontraram o que haviam ansiado todas as suas vidas.

Link Visite os artigos de David

==================

Eu nasci em Londres, Inglaterra, em 1947. A minha mãe e o meu pai, tinham sido gravemente feridos durante a Segunda Guerra Mundial e foram melhorando nos pós-guerra na Grã-Bretanha. Eu tinha um irmão mais novo e uma irmã e lembro-me do nosso início de vida juntos como sendo quente e amoroso, visto que a nossa mãe era uma mulher maravilhosa, mesmo tendo perdido uma perna na parte final da Guerra. Durante os anos 50, a nossa vida mudou de repente, quando duas Testemunhas de Jeová bateram à nossa porta e disseram ao meu pai por que o mundo estava numa confusão terrível. Elas explicaram que não foi Deus quem fez todas as guerras, mas Satanás, o Diabo. Começaram um estudo bíblico com os meus pais e dentro de 6 meses, eles foram batizados.

A partir desse momento, o meu pai tornou-se um pregador fanático da mensagem da Torre de Vigia. Antes da guerra, o meu pai tinha sido um católico nominal e a minha mãe uma Anglicana, então, eu tinha sido batizado em ambas as igrejas e depois batizado como Testemunha de Jeová, quando eu tinha apenas sete anos de idade Após seis meses, o meu pai levantou-se rapidamente através das fileiras e foi apontado como um Servo de Estudo Bíblico (uma posição que é igual a um ancião hoje). No entanto, ele não era feliz servindo nessa designação e realmente queria um novo desafio. Durante os meados dos anos cinquenta, a Sociedade Torre de Vigia publicou um boletim mensal chamado de “Ministério do Reino”. Ele continha um artigo sobre “mudar-se para onde a necessidade era maior”. Então, nós nos mudámos para longe e criámos uma congregação numa área rural.

Vendemos a nossa grande casa de quatro quartos de estilo Vitoriano, e acabámos vivendo numa Caravana de 6.7m (Trailer) sem água corrente, sem electricidade e sem saneamento adequado. Era como se ele estivesse numa missão para salvar o mundo antes do Armagedom o atingir. Ele disse-nos a TODOS que NUNCA MORRERÍAMOS e que logo estaríamos num paraíso maravilhoso. Depois de um curto período de tempo, o meu pai fundou uma congregação das Testemunhas de Jeová em Clevedon, Avon (West Country da Inglaterra) onde passámos a maior parte dos nossos anos de crescimento a lidar com muitos problemas que acompanhavam quem vivia nessa área.

Aos dezoito anos, conheci a minha adorável esposa Christine numa assembléia realizada em Wembley, Londres. Depois de dois anos, casámo-nos e fomos viver para Southampton, no sul de Inglaterra. Ao longo dos anos, tivemos duas filhas e eu progredi na Torre de Vigia, educando as nossas meninas na fé. No entanto, a minha esposa sofria de uma depressão terrível em meados dos anos 70, e percebemos que não havia quase nenhum amor mostrado pelos crentes que sofriam de depressão. Se uma Testemunha de Jeová tinha uma doença, ela era orientada a não levar os seus problemas para o Salão do Reino, visto que ela poderia enfraquecer.

Independentemente disso, eu queria fazer progressos na congregação, então trabalhei duramente e fui designado como ancião, em 1975, aos 28 anos. Foi um ano estranho, porque muitos foram deixando a organização visto que as profecias da Torre de Vigia sobre o Armagedom na data de 1975, não se conseguiram materializar e o fim não havia chegado. Lembro-me da minha primeira reunião de Anciãos quando eu estava absolutamente chocado ao ouvir os “irmãos” (a quem eu respeitava e imitava) gritando e agitando os punhos uns aos outros. Quando eu fui para casa naquela noite, Christine sabia que algo me tinha abalado. A partir de então, percebemos que “nem tudo era o que parecia” na organização,

Eu continuei na designação de ancião por mais 12 anos, e vi muitas coisas desagradáveis ​​feitas a “irmãos” e “irmãs” (companheiros Testemunhas de Jeová) na congregação, tudo em nome de manter a congregação “limpa”. Durante os anos 80, tivemos uma torrente de dessassociações no próprio Betel de Brooklyn, e eu estava muito interessado em descobrir os “reais” motivos pelos quais foram dessassociados.

Eu realmente nunca mais senti o mesmo pela organização depois disso. Quando visitámos o Betel de Brooklyn, em junho de 1981, nos foi dada uma recepção tão fria que quando chegámos a casa em Inglaterra, eu escrevi uma carta a Jack Barr. Jack tinha acabado de dar uma palestra em Twickenham e trouxe o chamado “amor” da parte da Família de Betel com ele. Expliquei em detalhes sobre a maneira terrível como fomos tratados e como não nos foi oferecida nem mesmo uma bebida num dia escaldante. Eu não usava a minha posição como ancião para ganhar quaisquer “favores” ao visitar Betel, mas eu lhe disse que se nós fossemos pessoas de interesse a visitar Betel, isso poderia ter-nos desmotivado. Lá no fundo, eu sabia que havia algo de muito errado com a organização do chamado Escravo Fiel e Discreto. A minha esposa tornou-se mais e mais isolada e não gostava de assistir a qualquer das reuniões. No entanto, ela é uma das pessoas mais espirituais que eu já conheci. Quando eu a conheci, éramos ambos pioneiros regulares. Ela disse-me na altura que realmente gostaria de ir e conhecer Jeová e Jesus no Céu. Devo admitir que, naquela época, eu achava que era um pouco estranho da sua parte querer fazer isso, visto que ela não era da classe “ungida”.

Mais tarde, mudámo-nos para o Nordeste de Inglaterra e servimos na Congregação de Stockton-on-Tee, por dois anos. Foi durante o tempo em Stockton que eu conheci um Cristão “nascido de novo” no meu trabalho secular, e ele foi muito gentil e atencioso. Este homem me falou sobre Jesus e que Ele era o nosso Salvador pessoal. Então, ele me disse que pertencia a uma “Igreja em Casa” e estudava a Bíblia. Mais tarde, conheci outros dois membros do seu “grupo” e pensei “que eram pessoas maravilhosas”. No entanto, nós estávamos bloqueados na organização Torre de Vigia, e ambos os nossos pais eram Testemunhas de Jeová, assim como todos os nossos “amigos”. Era tão estranho que Christine acreditasse totalmente que esta organização era a “verdade”, mas detestasse as reuniões e fazer o trabalho de ministério de porta-em-porta. Apesar de eu não acreditar totalmente que era “toda a verdade”, eu era diligente e leal em ir às reuniões e fazer o trabalho de pregação.

Depois de um par de anos, nos mudámos novamente para outra cidade do norte chamada Hull, e tivemos muitos problemas lá, por causa de “ciúme” e “brigas” na congregação. Eu fui nomeado Superintendente de Estudo do Livro muito rapidamente, e embora fosse desconhecido para mim na época, havia uma rixa acontecendo dentro da congregação. A organização incentiva a concorrência, fazendo os Pioneiros e as Testemunhas de Jeová com designações parecem superiores aos restantes. Porque eu era um pioneiro auxiliar de modo regular, acabei aliado aos que eu considerava como os “trabalhadores”.

Mas, dentro de 18 meses, a vida se tornou insuportável dentro da Congregação. Renunciando ao cargo de ancião, decidimos mudar-nos para o Midlands, onde um amigo nosso Testemunha de Jeová vivia. Durante os seis meses que demorámos a nos mudar, nós estávamos praticamente “cortados” por muitos dos nossos chamados “irmãos” e “irmãs” e éramos tratados como leprosos. No entanto, o seu tratamento para connosco era injustificado, visto que nenhum de nós tinha sido publicamente reprovado ou dissociado. Nós nos mudamos para o Wolverhampton no Midlands e novamente começou a frequentar as reuniões. Ambos os nossos pais se mudaram para o Wolverhampton, bem, então pelo menos nós sentimos que tínhamos alguns amigos em torno de nós. O meu pai era ainda ancião e pioneiro junto com a minha mãe, mas o meu irmão tinha sido morto num acidente de carro e a minha irmã tinha-se tornado “doente mental” com esquizofrenia. Portanto, nós sentimos que estávamos longe de viver num “paraíso espiritual”, mas era mais como viver num inferno “espiritual”.

Eu ia muitas vezes “debater” com o meu pai sobre os ensinamentos da Bíblia da Torre de Vigia, e muitas vezes disse que um dia iria mudar a sua profecia  da “geração” de 1914 para o fim do mundo e que, provavelmente, todos nós MORRERÍAMOS antes do Armagedom. Com certeza, o meu pai morreu com um ataque cardíaco repentino em janeiro de 1994 e eu fiquei com o encargo da minha mãe e irmã, que estavam dependentes. A Congregação não ajudou nada. Durante 1995, a Torre de Vigia, de fato, mudou o seu entendimento sobre 1914 (assim como eu tinha pensado que seria), e eles mudaram também o entendimento das ovelhas e dos cabritos. Esta foi a mudança que realmente me atingiu! Rutherford dissera que a “classe ungida” foi totalmente escolhida em meados de 1930 e que os seus líderes deveriam ser o “pequeno rebanho”. No entanto agora, a Torre de Vigia estava dizendo que as ovelhas e cabritos não tinham sido separados ainda. Como a definição de “pequeno rebanho” é que eles são “ovelhas” e não cabritos, comecei a raciocinar que se nenhum de nós era ainda “ovelha”, como poderia o “ungido pequeno rebanho” já ter sido escolhido?

Aos poucos, fomos ficando cada vez mais desencantados com a chamada “verdade” e, (contra políticas organizacionais) em 1999, chegámos a ir a Malta no dia 31 de dezembro para celebrar o Novo Milênio. Ao fazer isso, sentimos uma sensação fantástica de liberdade! No entanto, ainda não estávamos preparados para sair, embora eu tivesse estado na internet e tivesse lido todo o material “apóstata” que pude encontrar sobre a história deste “culto”. Christine era a única que o defendia com veemência, assim, eu não queria causar uma brecha entre nós. Finalmente, a minha pobre irmã morreu com a idade de 49 anos em setembro de 2000, e a minha querida mãe morreu em janeiro de 2001. Vendo toda a minha família, agora morta, lembrei-me de como a organização nos ensinou que deveríamos passar com vida através do Armagedom e nunca morrer.

Quando eu soube acerca da conexão da Torre de Vigia com as Nações Unidas, eu simplesmente não podia acreditar e sentei-me com Christine em frente do computador para mostrar-lhe a prova do seu encobrimento. Foi nessa época que fui a uma reunião sozinho, e Christine ficou em casa lendo a Bíblia. Lá, ela encontrou um texto em Mateus 8:11, onde diz que Abraão, Isaque e Jacó estarão no céu reclinados à mesa. Nós verificámos a explicação da Sociedade e sentimos repulsa total pela sua retórica. Durante todo este tempo, eu estava orando a “Jeová”, a “Jesus” e à “Consciência Universal” (quem quer que fosse). Comecei a ler todo o tipo de material, algum cristão, mas principalmente “espiritual” sem estar ligado a qualquer denominação religiosa. Nós até começámos a pensar que talvez haja “verdade” na maioria das religiões e que não importa o que nós acreditamos, contanto que demos glória a Deus.

Por fim, deixámos as garras da Torre de Vigia, em junho de 2001 e estivemos num deserto espiritual por cerca de 18 meses. Nós até viajávamos 32 km a cada domingo a uma floresta, a fim de rezar entre as árvores na esperança de encontrar a verdade real. Desta forma, a floresta se tornou nosso “lar espiritual”, até que fomos guiados ao lugar certo. Então, numa manhã de domingo em novembro de 2002, eu decidi ir a uma igreja não-denominacional de que eu tinha ouvido falar. Um homem que eu conhecia vagamente e que havia estudado com as Testemunhas de Jeová por 6 anos, também foi lá. Descobri que essas pessoas estavam orando por mim por um longo tempo.

Christine foi levada às pressas para o hospital com apendicite e toda a Igreja orou por ela. Quando ela saiu, finalmente reuniu a coragem de ir a uma reunião “em casa” comigo. Duas semanas depois, em novembro de 2002, eu fui salvo. Eu aceitei o Senhor Jesus na minha vida, embora ainda não entendesse as doutrinas da “Trindade” ou do “Inferno”. A minha querida esposa Christine também deu a sua vida ao Senhor. O que a atraiu foi o fato de que, finalmente, ela tinha encontrado cristãos que oravam uns pelos outros, abraçados uns aos outros e mostrando “verdadeiro” amor como Jesus mostrou. Surpreendentemente, isto era exatamente aquilo por que Christine sempre tinha orado. Então, quando ela conheceu estes cristãos, ela percebeu que o Senhor nos guiou até eles. Nós dois fomos batizados em maio de 2003. Em maio de 2004, a nossa filha mais nova e o seu marido seguiram-nos no batismo. Felizmente, ambas as nossas filhas estão agora fora da seita da Torre de Vigia e felizes por estar livres. Uma vez que encontrámos o verdadeiro Jesus, tem-nos sido mostrado tanto amor cristão “verdadeiro”, que agora estamos aprendendo a não julgar como a Torre de Vigia ensina.

 

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: Espanhol Tcheco Italiano Russo Inglês Portuguese