O Que É “A Verdade”?

PDF

PDF

Um traço comum nas  religiões que afirmam ser o único caminho para Deus, é o de compilar uma lista de requisitos específicos, que eles acreditam ser a prova de que são a única religião verdadeira. Os Mormons, por exemplo, produziram um folheto para os potenciais seguidores com o tema, “17 Pontos identificadores da Única Igreja Verdadeira.” Uma vez que a Igreja Mormon alega ser a única que cumpre todos esses 17 requisitos que lista no seu folheto, os Mormons acreditam que ninguém pode alcançar a salvação no seu mais alto nível de glória, a menos que se junte à sua Igreja.

As Testemunhas de Jeová não são diferentes dos Mormons, neste aspecto.  Em muitas das brochuras concebidas para atrair potenciais seguidores para a sua religião, a Torre de Vigia enuncia uma lista única de critérios para determinar o que eles chamam de “a Verdade.” Para as Testemunhas de Jeová, estes critérios provam que a organização Torre de Vigia, é a única religião Cristã verdadeira que existe hoje na terra.

SERÁ QUE OS CRITÉRIOS DA TORRE DE VIGIA PROVAM QUE ELA É A ÚNICA RELIGIÃO VERDADEIRA?

A seguir, descreve-se uma lista de critérios que a Torre de Vigia usa para determinar qual é a “única religião verdadeira.” Esta lista específica encontra-se nas páginas 26 e 27 da brochura O Que Deus Requer de Nós?, produzida em 1996 pela Torre de Vigia:

  1. Evitar a Guerra e a Política
  2. Evitar Feriados Pagãos
  3. Rejeitar a Doutrina da Trindade
  4. Rejeitar a Imortalidade da Alma e o Inferno
  5. Devem Pregar o Reino
  6. Devem Proclamar o Nome de Deus “Jeová”

A Torre de Vigia afirma que estes critérios provam que a sua religião é a única religião verdadeira, mas são estes critérios observados unicamente na organização Torre de Vigia?  Os nossos estudos revelam que não, pois as religiões abaixo também adotam estas doutrinas:

  • Assembléias de Yahweh
  • Assembléias dos Escolhidos de Ya
  • Casa de Yahweh
  • Assembléia de YHWH Yeshua
  • Cristadelfianos

Visto que a Torre de Vigia alega que há apenas uma única religião Cristã verdadeira, como podem os seus critérios para determinar “a Verdade” provar que ela é a única religião verdadeira, quando outras religiões também cumprem os seus critérios?  Fica assim evidente pelo fato de a religião da Torre de Vigia não ser a única nas suas crenças e práticas, sobre o que chama de “a Verdade,” que os critérios que dá não podem ser usados para determinar que é a “única religião verdadeira.”

QUEM É “A VERDADE”?

Embora seja importante acreditar nos ensinamentos da Bíblia a fim de se assimilar “a Verdade,” a Bíblia não aponta para uma determinada religião ou organização religiosa como sendo “a Verdade.”  Pelo contrário, ela aponta para uma Pessoa, ao invés de uma religião como sendo “a Verdade.” Em João 14:6, Jesus proclamou, “Eu sou …a verdade,” e na Sua oração ao Pai, Ele disse, “Santifica-os por meio da verdade; a tua palavra é a verdade.” (João 17:17, Tradução do Novo Mundo- TNMQuem é a  “Palavra” viva, quem é a “Verdade”?  João 1:14 diz-nos, “…a Palavra se tornou carne e residiu entre nós, e observamos a sua glória, uma glória tal como a de um filho unigénito de um pai.” (João 1:14, TNM)  Não só vemos Jesus sendo identificado nas Escrituras  como “a Verdade,” mas Ele mesmo proclama em João 5:39-40 que toda a Escritura foi escrita para “dar testemunho” sobre Ele!

O apóstolo Pedro não disse “para que” havemos de ir embora. Não! Ele dissse, “Senhor, para quem havemos de ir? Tu [Jesus] tens declarações de vida eterna.” (João 6:68, TNM)  Ele reconheceu que com a vinda de Cristo, o arranjo de Deus mudou, deixando de operar através de uma organização (sistema Judaico), para operar directamente através do Seu Filho Jesus Cristo (Hebreus 1:1-2) e a orientação do Seu Espirito Santo. (João 16:13).  Já não precisamos de uma organização sacerdotal para nos guiar a Jeová Deus. Agora temos acesso direto através de Jesus Cristo, como único “Sumo Sacerdote” e “Mediador”, entre nós e Deus. (Hebreus 7:25-26; 2 Timóteo 2:5).

SERÁ QUE A TORRE DE VIGIA CONDUZ AS PESSOAS “À VERDADE”?

Em vez de conduzir as pessoas “à Verdade,” a Torre de Vigia instalou-se no lugar de Cristo ao proclamar, “Jesus Cristo, não é o Mediador entre Jeová Deus e toda a humanidade. Ele é o Mediador entre seu Pai celestial, Jeová Deus, e a nação do Israel espiritual, que está limitado a 144.000 membros.” (Segurança Mundial Sob o Príncipe da Paz,” 1986, pág. 10)  Ao invés de encorajar as Testemunhas de Jeová a dirigir-se somente a Jesus em busca da “Verdade” e da “vida eterna” (João 10:28; 14:6), a Torre de Vigia proclama que a sua organização é “a Verdade” e diz às Testemunhas  de Jeová que devem “vir a” ela “para a salvação.” (A Sentinela, 15 de Julho, 1982, pág. 21). A Torre de Vigia afirma, “Não há outro lugar onde se possa obter o favor divino e a vida eterna,” (A Sentinela, 15 de Novembro, 1992, pág. 21), mas nada poderia estar mais longe da verdade.

Não somente a Torre de Vigia exclui as Testemunhas de Jeová da vida eterna por impedi-las de chegar a Jesus como seu “mediador,” mas também as afasta da aprovação de Jeová quando lhes diz que o “Novo Pacto” não se aplica a elas e que não lhes é permitido ser“ adotados” na família espiritual de Deus (A Sentinela, 1 de Fevereiro, 1998, págs. 19-20). Romanos 8:8-9, proclama que a menos que alguém tenha o Espírito de Deus, que se recebe apenas através da “adoção” (Romanos 8:14-16), não se pode “agradar a Deus,” nem pode ele “pertencer a Cristo.”  Assim, os ensinos da Torre de Vigia deixam as Testemunhas de Jeová sem nenhuma esperança de favor divino e vida eterna!

SERÁ QUE DEUS SEMPRE LIDERA POR MEIO DE UMA ORGANIZAÇÃO?

Um traço comum das falsas religiões, é colocarem-se a elas mesmas como “mediador” entre os seus seguidores e Deus. Quer estejamos falando acerca do Mormonismo com o seu profeta Joseph Smith e outros profetas posteriores a ele, do Islão com o seu profeta Maomé, da Nova Era com os seus gurus e espíritos-guia, ou das Testemunhas de Jeová com a chamada classe do “Escravo Fiel e Discreto”, a táctica de Satanás é sempre a mesma: Convencer as pessoas de que não podem receber comunicação directamente de Deus, e obrigá-las a olhar para líderes humanos em busca de apoio e orientação espiritual.  Mas a Bíblia diz, “E, quanto a vós, a unção que recebestes dele permanece em vós, e não necessitais de que alguém vos ensine; mas, como a unção da parte dele vos ensina todas as coisas, e é verdadeira e não é mentira, e assim como vos tem ensinado, permanecei em união com ele. (1 João 2:27, TNM). Nós não precisamos de uma organização para nos “ensinar” a verdade espiritual, quando temos o Cristo e a “unção” do Seu Espírito para nos guiar. Assim como os primeiros Cristãos, o Espírito Santo de Deus é aquele que nos “guia” em “toda a verdade” (João 16:13).

Contrariamente às alegações da organização Torre de Vigia, quando analisamos as Escrituras, vemos que não existia nenhum “corpo governante” em Jerusalém, para liderar os seguidores de Jesus do primeiro século.  As Congregações e os indivíduos eram conduzidos directamente pela orientação do Espírito Santo, como as Escrituras a seguir ilustram:

  • Em Atos 13:2-4, vemos o Espírito Santo a dirigir a congregação de Antioquia ao enviar Paulo e Barnabé na sua primeira viagem missionária sem a aprovação de nenhum “corpo governante” em Jerusalém.
  • Quando eles regressaram da sua viagem missionária, em Atos 14:26-28, eles não reportaram a um “corpo governante” em Jerusalém, mas sim, à congregação de Antioquia que os enviou.
  • Da mesma forma, em Atos 18:22, vemos Paulo e Silas regressar da segunda viagem missionária de Paulo—não ao “corpo governante” em Jerusalém—mas à congregação de Antioquia. Em Atos 18:23 Paulo saiu de novo na sua terceira viagem missionária, a partir desta mesma congregação. Se existisse um “corpo governante” em Jerusalém, onde estava a sua liderança em tudo isso?
  • Quem comissionou Filipe em Atos 8:5, para pregar na cidade de Samaria? Foi apenas no versículo 14, que os “apóstolos em Jerusalém ouviram que Samaria havia aceito a palavra de Deus.” Em Atos 8:26, 29, e 40, lemos que o Espírito Santo foi o Único que dirigiu Filipe, aos territórios em que ele pregava.
  • Quem impediu Paulo e Silas de pregar na Ásia, conforme em Atos 16:6-7?  Foi um “corpo governante” em Jerusalém ou foi o “Espírito de Jesus”?

Como pode ser visto pelas passagens acima, foi o Espírito de Cristo (o Espírito Santo) que dirigiu o trabalho de pregação dos Cristãos do primeiro século, mas que dizer das passagens a que a Torre de Vigia recorre, para apoiar a sua crença de um “corpo governante” em Jerusalém? Em Atos 15, Paulo e Barnabé foram até aos apóstolos e aos anciãos em Jerusalém para resolver uma disputa que envolvia a circuncisão dos Cristãos não-judeus, e em Atos 16:4, Paulo e Silas entregaram os “decretos” que os apóstolos e os anciãos em Jerusalém tinham determinado.  Prova isto que existia um “corpo governante” em Jerusalém?  Não, não prova.

Se analisarmos cuidadosamente Atos 15:1-2, vemos que a disputa tinha surgido quando os homens da região de Jerusalém (ou seja, a Judéia) haviam descido para a congregação de Antioquía, e proclamado que esses crentes precisavam de ser circuncidados conforme o costume Judaico.  É de admirar que eles tenham ido a Jerusalém para resolver a disputa que tinha sido causada por homens daquela região? Em Atos 16, estes “decretos” que Paulo e Silas estavam levando, tinham a ver com a decisão que tinha sido tomada com respeito à circuncisão.  Não há indicação de que estes “decretos” envolvessem qualquer outro assunto.  Assim, vemos que não há qualquer base para a alegação, de que uma “organização” é necessária para conduzir o povo de Deus hoje.

QUEM É AFINAL O “ESCRAVO FIEL E DISCRETO”?

Em Mateus 24:45-51, Jesus descreve dois tipos de escravos (ou servos) que foram incumbidos de tomar conta dos bens do seu mestre enquanto este estava fora. Após o retorno do seu mestre, um dos escravos foi achado “fiel” e foi recompensado ao ser designado sobre “todos” os bens do seu mestre.  O outro escravo mostrou-se infiel nas suas tarefas e quando o seu mestre chegou, ele foi jogado fora com os hipócritas.  O que a parábola de Jesus mostra é que todos nos devemos esforçar para sermos “fiéis” ao nosso Senhor, para que quando o nosso Rei Jesus retornar ao Seu povo, Ele nos ache “fiéis” e nos recompense com mais autoridade e responsabilidade.  Não há nada nesta passagem que indique que o “escravo” fiel se refira, de forma profética, a uma  organização que seria “designada” sobre todos os bens de Jeová.  Pelo contrário, assim como qualquer indivíduo se pode tornar parte do grupo do “escravo” iníquo por ser infiel a Deus, da mesma forma alguém pode tornar-se parte do “escravo” fiel, por ser fiel nas tarefas confiadas pelo Espírito Santo.

Na verdade, nós colocamos as nossas almas em grande perigo se  confiarmos o nosso destino eterno nas mãos de líderes humanos, em matéria de segurança espiritual.  A Bíblia diz, “Maldito o varão vigoroso que confia no homem terreno e que realmente faz da carne o seu braço.” (Jeremias 17:5).  O Único caminho que devemos seguir em busca de vida eterna e de Verdade espiritual, é Jesus Cristo. Ele declara, “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao  Pai, senão por Mim.” (João 14:6)

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: EspanholTchecoItalianoInglêsPortuguese