Irá A “Grande Multidão” Estar Na Terra Quando O Armagedom Irromper?

heavenlysunset

IRÁ A “GRANDE MULTIDÃO” ESTAR NA TERRA QUANDO O ARMAGEDOM IRROMPER?


Apocalipse 7:9, 15:
“…eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro…É por isso que estão diante do trono de Deus; e prestam-lhe serviço sagrado, dia e noite, no seu templo…” —Tradução do Novo Mundo

Durante anos, as Testemunhas de  Jeová têm ensinado que a grande maioria dos seus seguidores vai ressuscitar para a vida eterna num Paraíso Terrestre e que somente um grupo selecto de 144.000 irão viver e reinar com Jesus Cristo no Céu. Estes dois grupos de seguidores são chamados de “a Classe Terrestre” e “a Classe Celestial.” A “Classe Terrestre” é também chamada de “as Outras Ovelhas” de João 10:16 e de “a Grande Multidão” de Apocalipse 7:9, enquanto que a “Classe Celestial” é chamada de “o Pequeno Rebanho” de Lucas 12:32, “a Classe Ungida” de 2 Coríntios 1:21-22 e “os 144.000” de Apocalipse nos capítulos 7 e 14.  Estes termos são usados frequentemente para reforçar esta estrutura de duas classes do sistema de crenças da Torre de Vigia.

Este sistema de duas classes é tão fundamental para as crenças das Testemunhas de Jeová, que as Escrituras estão constantemente sendo torcidas e reinterpretadas para apoiar esta ideologia. Embora não haja nem um único texto das Escrituras que exclua pessoas que não estejam no grupo dos 144.000 de Apocalipse 7 e 14 dos privilégios do “Novo Pacto”, de ser “nascido de novo,” (João 3:3) espiritualmente “adotados” na família de Deus (Romanos 8:14-16), partilhar do “Memorial” ou “Ceia do Senhor”, celebração do sacrifício redentor de Cristo, olhar para Jesus como seu “mediador” (1 Timóteo 2:5), e a “esperança” da ressurreição de viver e reinar com Cristo no Céu, a Sociedade Torre de Vigia impõe um sistema de crenças opressivo que nega estes privilégios Cristãos básicos à maioria dos seus membros. Da mesma forma, a Sociedade Torre de Vigia rejeita as descrições literais fornecidas dos 144.000, enumeradas nas únicas duas passagens Bíblicas que descrevem este grupo, nomeadamente Apocalipse 7:3-8 e 14:1-5.  Estas descrições, que as Testemunhas de Jeová negam e distorcem totalmente, são as seguintes:

  • Os 144.000 são “selados” na terra durante a Grande Tribulação (Apocalipse 7:1-4).
  • Os 144.000 são Judeus de “toda a tribo” de Israel  1. (Apocalipse 7:4-8).
  • Os 144.000 estarão de pé com Jesus no Monte Sião quando Ele começar a reinar a terra (Apocalipse 14:1).
  • Os 144,000 são homens “virgens” que “não se poluíram com mulheres” (Apocalipse 14:4).

APOIAM AS ESCRITURAS UM SISTEMA DE CRENÇAS DE DUAS CLASSES?

É verdade que a Bíblia fala de “duas partes” ou grupos de crentes, mas estes grupos não são descritos como sendo uma “classe Celestial” e uma “classe Terrestre”, mas sim a diferença entre os Judeus “circuncidados” e os “incircuncisos” das nações não-Judaicas. Ao longo do Novo Testamento, os Judeus são identificados como a “ovelha perdida” a quem Jesus veio com as Boas Novas da Sua redenção (Mateus 15:22-24). Ele até mesmo ordenou aos Seus seguidores em certo momento, que evitassem pregar a mensagem do Reino às “nações” ou “Gentios” (não-Judeus) (Mateus 10:5-7), de modo a que os Judeus tivessem a oportunidade de aceitá-la e tornar-se a “luz das nações” que Deus lhes ordenou que fossem, para a salvação de toda a humanidade (Isaías 49:6; Atos 13:47).  Foi só quando Deus deu a Pedro a visão do alimento impuro de Atos 11, que Ele abriu a porta para não-Judeus receberem as Boas Novas do Reino (Atos 11:18). É por isso que o apóstolo Paulo exclama:

“Portanto, persisti em lembrar-vos de que anteriormente éreis pessoas das nações quanto à carne; fostes chamados ‘incircuncisão’ por aquilo que é chamado‘circuncisão’ feita na carne, por mãos— que naquele tempo específico estáveis sem Cristo, apartados do estado de Israel e estranhos aos pactos da promessa, e não tinheis esperança e estáveis sem Deus no mundo.  Mas agora, em união com Cristo Jesus, vós, os que outrora estáveis longe, chegastes a estar perto pelo sangue do Cristo. Pois ele é a nossa paz, aquele que das duas partes fez uma só e que destruiu o muro no meio, que os separava.”— Efésios 2:11-14  2.

Assim, no contexto das Escrituras, vemos que as “duas partes” ou dois grupos de pessoas refere-se estritamente à divisão entre os “Judeus” e as “nações” ou “Gentios.”  Jesus rompeu esta divisão quando Ele pagou o preço em seu “sangue” pelo pecado humano e “destruiu o muro entre os de dentro e os de fora”, tendo Ele reunido as Suas “outras ovelhas” de seguidores não-Judeus com seu “um só” rebanho de crentes Judeus. Ele fez isso de acordo com a Sua promessa em João10:16:

“E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz, e se tornarão um só rebanho, um só pastor.”

SERÁ QUE AS ESCRITURAS ENSINAM QUE A “GRANDE MULTIDÃO” VAI VIVER PARA SEMPRE NA TERRA?

Já mencionamos que a Bíblia NUNCA afirma que os privilégios do “Novo Pacto” de vida eterna no Céu ,exclui todas as pessoas menos um grupo selecto de 144.000.  Pelo contrário, as Escrituras proclamam:

  • Existe apenas “uma esperança”—não “duas esperanças” (uma esperança terrena e uma celestial) (Efésios 4:4).
  • Muitos crentes do Antigo Testamento estarão no Céu (Mateus 8:11; Lucas 13:28; Hebreus 11:10, 16).
  • Todas as pessoas terão que “nascer de novo” para ver o Reino de Deus (João 3:3, 5).
  • Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo nasceu de Deus” (1 João 5:1).
  • A adoção espiritual é para “todos” os que são guiados pelo Espírito de Deus (Romanos 8:14-16).
  • Jesus Cristo é o “mediador” de toda a “humanidade” (1 Timóteo 2:5).
  • Os seguidores de Jesus devem “comer a carne do Filho do Homem e beber o Seu sangue”, por partilhar da simbólica Refeição Noturna do Senhor, a fim de ter vida eterna (João 6:53).
  • A “Grande Multidão” está “diante do trono” e servindo a Deus “dia e noite” no Seu templo no Céu, quando o Armagedom irrompe (Apocalipse 7:9, 15; 16:16-17).
  • “Depois destas coisas ouvi o que era como a voz alta duma grande multidão no céu” (Apocalipse 19:1).

Note que NENHUMA condição nestas passagens atribui os termos “todos” e “todos os que” a um grupo selecto de apenas 144.000 fiéis.  Em vez disso, estas promessas estão abertas a “todos” os que crêem. Além disso, se os 144.000 vão ser “selados” (protegidos) da ira de Deus na grande tribulação, que Deus ainda tem que enviar sobre a terra conforme Apocalipse 7:3 claramente descreve, como poderia este grupo ter vivido no primeiro século quando estas promessas do Novo Pacto foram dadas aos seguidores de Jesus?  Assim, quando o inteiro contexto das Escrituras é considerado, o sistema de crenças de duas classes das Testemunhas de Jeová é claramente impossível de sustentar a partir dos textos das Escrituras.

PORQUE AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ TEMEM O ARMAGEDOM?

Como se a negação da Sociedade Torre de Vigia, dos privilégios Cristãos básicos do Novo Pacto, não fosse suficiente, a Sociedade dá um passo adiante para incutir um medo profundo da ira de Deus que será derramada sobre a humanidade ímpia, durante a Grande Tribulação e a Batalha do Armagedom descritas em Apocalipse capítulo 16.

Embora 1 Tessalonicenses 5:9 prometa aos Cristãos que: “…Deus não nos designou ao furor, mas à adquisição de salvação por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo,” as Testemunhas de Jeová acreditam que Deus vai testar a sua lealdade por fazê-las suportar a Sua ira durante todo o período da Tribulação e da Batalha do Armagedom. A única forma de as Testemunhas de Jeová terem uma hipótese de sobreviver, segundo lhes é dito, ao terrível “fim” dos governos humanos, é servir a organização Torre de Vigia fielmente na esperança de Jeová vir a poupar as suas vidas quando Ele trouxer o Seu julgamento.

Estes temores são totalmente infundados porque não são apenas os 144.000 que são “selados” da ira de Deus em Apocalipse 7:3, mas a “Grande Multidão” é igualmente protegida porque o “Filho do Homem” (Jesus) irá enviar Seus anjos para reunir os Seus seguidores para o Céu, antes do Seu julgamento final atingir a terra.

“…e verão o Filho do homem vir nas nuvens do céu, com poder e grande glória.  E enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e eles ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade dos céus até à outra extremidade deles.”—Mateus 24:30-31

Assim, imediatamente após a “selagem” dos 144.000 de Apocalipse 7:4-8, lemos sobre a posição da “Grande Multidão”, estando “diante do trono” de Deus no Céu:

“Depois destas coisas eu vi, e, eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, trajados de compridas vestes brancas; e havia palmas nas suas mãos.”—Apocalipse 7:9

O versículo 11 de Apocalipse 7, detalha a localização desta “grande multidão” quando fala de “todos os anjos” que, tal como a “grande multidão,” estão adorando “diante do trono.” Além disso, a “grande multidão” é identificada no versículo 14 como sendo “os que saem da grande tribulação,” e tudo isto ocorre ANTES do Armagedom em Apocalipse 16. Da mesma forma, Apocalipse 7:15 proclama encorajadoramente:

É por isso que estão diante do trono de Deus; e prestam-lhe serviço sagrado, dia e noite, no seu templo; e O que está sentado no trono estenderá sobre eles a sua tenda.”

Este “templo” é de facto “no Céu”, como Apocalipse 11:19 explica:

“E abriu-se o [santuário do] templo de Deus, que está no céu, e viu-se a arca do seu pacto no [santuário do] seu templo. E houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e um terremoto, e grande saraivada.”

Em resultado disso, os membros da “grande multidão” de Apocalipse 19:1 têm razões para alegrar-se “nos Céus”!

“Depois destas coisas ouvi o que era como a voz alta duma grande multidão no céu. Disseram: ‘Louvai a Jah! A salvação , e a glória, e o poder pertencem ao nosso Deus.’ ”

Na tentativa de evitar as implicações óbvias da “grande multidão no céu”, conforme expresso em Apocalipse 19:1, algumas Testemunhas de Jeová argumentam que esta “grande multidão” deve ser uma multidão de “anjos” em vez de seres humanos. No entanto, vale a pena salientar que esta “grande multidão no céu” está cantando a “salvação” do “nosso Deus.”  Perguntamos, como poderiam estes anjos cantar a sua “salvação”, se os humanos são as únicas criaturas que Deus salva? Como os anjos no Céu não têm redenção ou “salvação” sobre as quais cantar, porque eles nunca pecaram, e aos “anjos decaídos” não é oferecida qualquer “redenção”, os argumentos das Testemunhas de Jeová novamente falham no teste das Escrituras. Com a “grande multidão” estando “no Céu,” servindo “dia e noite” no “templo” de Deus, e cantando a “salvação” do “nosso Deus,” vemos que o medo do Armagedom da Torre de Vigia é completamente infundado.

EXPOSTOS OS ARGUMENTOS DA TORRE DE VIGIA CONTRA APOCALIPSE 7:15:

A Torre de Vigia tem oferecido sistematicamente vários argumentos, para tentar conciliar crenças conflitantes com o texto Bíblico de Apocalipse 7:15. A edição de 1 de Maio de 2002 de A Sentinela, admitiu que um dos argumentos que a Sociedade tinha dado ao longo dos anos era a ideia de que “que a grande multidão adora a Jeová em um dos pátios terrestres do grande templo espiritual dele, especificamente naquele que corresponde ao pátio externo do templo de Salomão.” Este artigo passou a acrescentar vários pontos da nova luz que desmentiam as suas anteriores afirmações sobre o templo ser de alguma forma um dos “patios terrenos” ou o “Pátio dos Gentios.”  Eles observaram que:

“…a palavra grega (hi·e·rón) traduzida “templo”, usada com referência ao Pátio dos Gentios, “refere-se a todo o conjunto de prédios, em vez de especificamente ao prédio do Templo em si” … Em contraste, a palavra grega (na·ós), traduzida “templo” na visão de João a respeito da grande multidão, é mais específica. No contexto do templo de Jerusalém, ela quase sempre se refere ao Santíssimo, ao prédio do templo ou aos seus recintos. Às vezes é traduzida “santuário”. —Mateus 27:5, 51; Lucas1:9, 21; João 2:20. … Mas, como o ancião celestial disse a João, os membros da grande multidão realmente estão no próprio templo, não fora da área dele, num tipo de Pátio dos Gentios espiritual.”—A Sentinela, 1 de Maio de 2002, pág. 31

À primeira vista, poderia parecer que a Sociedade Torre de Vigia veio finalmente admitir o erro do seu raciocínio contra a “grande multidão” estar servindo nos pátios interiores do templo Celestial, admitindo que os seus argumentos não podem ser conciliados com o texto Bíblico de Apocalipse 7:15. No entanto, independentemente das provas que eles fornecem para a palavra Grega (na-os’)traduzida como “templo” em Apocalipse 7:15 significando o “santuário” ou “o Santo dos Santos” (que só se poderia referir à parte mais interna do Templo e, portanto, deve estar no Céu), eles se recusam a aceitar esta evidência e teimosamente mantêm a sua alegação equivocada de que:

“…os membros da grande multidão não estão no pátio interno do grande templo espiritual de Jeová…”—A Sentinela, 1 de Maio de 2002, pág. 31

Contudo, em Apocalipse 7:15, não vemos apenas que a “grande multidão” está servindo a Jeová “dia e noite” no “Santo dos Santos” do templo de Deus “no Céu”, mas lemos também que a sua posição diante do trono e diante do Cordeiro” (Apocalipse 7:9) é a mesma que a da adoração dos anjos “diante do trono” (Apocalipse 7:11). Portanto, só podemos concluir que a “grande multidão” está “no Céu”, tendo em conta o que lemos sobre as coisas terríveis que irão acontecer àqueles que recusam o plano de salvação de Deus por meio de Cristo Jesus. Na verdade, isto é o que Apocalipse 7:15-17 diz sobre os prazeres que a “grande multidão” irá desfrutar estando “no Céu”, enquanto o Armagedom irrompe na terra:

É por isso que estão diante do trono de Deus; e prestam-lhe serviço sagrado dia e noite no seu templo; e O que está sentado no trono estenderá sobre eles a sua tenda. Não terão mais fome, nem terão mais sede, nem se abaterá sobre eles o sol, nem calor abrasador, porque o Cordeiro, que está no meio do trono, os pastoreará, e os guiará a fontes de águas da vida. E Deus enxugará toda a lágrima dos olhos deles.”—Apocalipse 7:15-17

SE TODOS ESTÃO NO CÉU, QUEM IRÁ VIVER NA TERRA?

Durante o reinado de 1.000 anos de Cristo, os descrentes que sobreviverem à Grande Tribulação e à Batalha do Armagedom vão viver na terra nos seus corpos mortais e gerar filhos que irão ter a oportunidade de ouvir as boas novas sobre o sacrifício de resgate de Jesus e a dádiva da vida eterna. Aqueles que receberem esta dádiva por individualmente pedirem a Jesus para ser o seu Senhor e Salvador, irão ressuscitar para a vida Celestial após a morte. Assim, os crentes Cristãos que estão no Céu irão reinar sobre os não-cristãos aqui na terra durante o reinado de 1.000 anos de Cristo.

Depois do reinado de 1.000 anos de Cristo, Deus criará um Novo Céu e uma Nova Terra, em que a Nova Jerusalém vai transcender entre o Céu e a Terra (2 Pedro 3:7, 10-13; Apocalipse 21). Uma vez que Jesus foi capaz de viajar entre o Céu e a Terra atuais (Atos 1:11) e visto que os corpos ressuscitados  que os Cristãos irão receber serão semelhantes ao corpo de Cristo (Filipenses 3:20-21), é razoável concluir que todos os crentes Cristãos estarão habilitados a viajar entre a Nova Terra e o Novo Céu e desfrutar de ambos os lugares.

PARA MAIS INFORMAÇÕES VEJA:

bullets EU TENHO MEDO DE SER DESTRUÍDO NO ARMAGEDOM

=========

1.  Nota: As tribos de Dã e Efraim não são incluídas nesta lista, porque Dã era culpado de idolatria, conforme Levítico 24:11; Juízes 18:1, 30; e 1 Reis 12:28-30 e Efraim era também culpado de idolatria conforme Oséias 4:17 e Juízes 17. Desse modo, as tribos de José e Manassés foram substitutas em Apocalipse 7:5-8, no lugar destas duas tribos.
2. Todos os textos são citados da Bíblia das Testemunhas de Jeová, A Tradução do Novo Mundo.

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: EspanholTchecoInglêsPortuguese