Diálogo 3a: É a Organização Torre de Vigia um Culto? – Parte 1

ccjw-en-adbullets CONVERSAS CRISTÃS COM AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
— Respostas Bíblicas a perguntas que as Testemunhas de Jeová fazem

(CAPÍTULO 4: “Quem é o Diabo?”)

 São as opiniões pessoais e o pensamento independente condenados por Deus?
Como pode a unidade Cristã existir numa religião que permite aos seus membros discordar em assuntos espirituais? Os Cristãos verdadeiros precisam da orientação de uma organização  para entender a Bíblia? Quais são as técnicas de manipulação mental
de uma seita?

 SUSANA: Olá Isabel, como foi a sua semana? 

ISABEL: Ah, foi boa. É que a minha mãe está a fazer-me a vida difícil porque estou a estudar com as Testemunhas de Jeová. Eu acho que ela tem medo que eu acabe por entrar numa seita. 

SUSANA: Isabel, nós ouvimos isso de muitas pessoas que não entendem a nossa religião. Como é hábito, vamos estudar a brochura, O Que Deus Requer de Nós?. “Satanás talvez use perseguição ou oposição para afastá-lo de Jeová.” Como pode ver, Isabel, “Alguns dos seus entes queridos talvez se zanguem muito porque você estuda a Bíblia.… Satanás quer amedrontá-lo para que pare de aprender algo sobre Jeová.”1.  Você não vai deixar Satanás ganhar por ouvir a sua mãe, pois não Isabel? 

ISABEL: Susana, a minha mãe não está zangada por eu estar a estudar a Bíblia. Ela está preocupada por eu estar a estudar com as Testemunhas de Jeová. Ela acha que a religião das Testemunhas de Jeová é uma seita e ela não quer que eu acabe nela. 

SUSANA: Isabel, sabe o que é uma “seita”? Há alguns anos atrás, num artigo da Sentinela de 15 de Fevereiro de 1994, a Sociedade descreveu o que uma “seita” é. Deixe-me ler algumas das coisas que são ditas nesse artigo: “Sabe-se que os líderes de seitas utilizam métodos manipuladores para controlar a mente de seus seguidores. Há qualquer evidência de que as Testemunhas de Jeová fazem isso?.… Foi notável uma recente decisão judicial feita pela Corte Europeia dos Direitos Humanos. Esta declarava que as Testemunhas devem desfrutar liberdade de pensamento, consciência e religião, e que elas têm o direito de falar sobre sua fé e de ensiná-la a outros. Isso dificilmente se daria se as Testemunhas de Jeová fossem conhecidas por usar técnicas enganosas e antiéticas para recrutar membros, ou se usassem métodos manipuladores para controlar a mente de seus seguidores.”2.  Isabel, você vê como nós somos. Acha que nós usamos “métodos manipuladores” para controlar a sua mente? 

ISABEL: Não tenho a certeza, Susana. A minha mãe disse que as Testemunhas de Jeová  não estão autorizadas a questionar nenhuma das doutrinas ou políticas da organização e que se elas não acreditarem em absolutamente tudo o que a Sociedade ensina, são desassociadas da organização. Ela disse que o medo de ser rejeitado pela organização, manipula muitas Testemunhas a não aceitar transfusões de sangue, recusar qualquer tipo de atividade política,3. e não participar em nada que seja desaprovado pela organização Torre de Vigia. É verdade que a Torre de Vigia manipula os seus membros desta forma? 

SUSANA: Eu não chamaria a isso “manipulação,” Isabel. A Sociedade Torre de Vigia não nos diz em que acreditar. Baseados na nossa consciência, nós fazemos as nossas próprias decisões em relação às transfusões de sangue e à política. 

ISABEL: A sério, Susana? Você está autorizada a fazer as suas próprias decisões? Então o que acontecerá se a consciência de uma Testemunha lhe permitir votar; está a dizer-me que ela não seria desassociada por tal acto? 

SUSANA: Bem, não, Isabel. Ela seria desassociada se persistisse nesse acto, porque uma Testemunha de Jeová deve acreditar e agir em harmonia com a organização Torre de Vigia. 

ISABEL: Então está a dizer-me, Susana, que a consciência pessoal de uma Testemunha é determinada pelas doutrinas e políticas da organização Torre de Vigia? 

SUSANA: Bem, acho que sim. . . 

ISABEL:   Ouça este artigo da Torre de Vigia e diga-me se isto não é “manipulação” mental, por controlar o que as pessoas pensam e acreditam. A Sociedade disse:  “Satanás, desde o começo de sua rebelião, questionou a maneira de Deus fazer as coisas. Promoveu idéias independentes… Como se manifestam tais idéias independentes? Um modo comum é questionar o conselho provido pela organização visível de Deus… Por que são tão perigosas? Tais idéias dão evidência de orgulho… Podemos realmente passar sem a orientação da organização de Deus?” Não, não podemos!”4. Susana, quando o julgamento pessoal de determinar a verdade bíblica é visto como orgulho contra Deus, como pode isto não ser um meio de controlar aquilo em que as pessoas crêem?  Se a alguém não lhe é permitido questionar as doutrinas de uma organização, como pode ele seguir o mandamento bíblico “certificai-vos de todas as coisas”?5.

SUSANA: Essa é uma boa questão, Isabel, mas uma vez provado que esta é a organização de Jeová, não mais devemos questionar as suas doutrinas. Jesus disse-nos que devemos ser “um” tal como ele e o Pai são um,6. e o apóstolo Paulo exortou os crentes Coríntios: “todos faleis de acordo, e que não haja entre vós divisões” para que eles viessem a ser “unidos na mesma… maneira de pensar.”7. Portanto, para ter unidade de pensamento, não devemos questionar o conselho fornecido pela organização. 

ISABEL: Susana, unidade é a mesma coisa que uniformidade ou existe uma diferença? 

SUSANA: O que entende por diferença entre unidade e uniformidade? Não são elas a mesma coisa, Isabel? 

ISABEL: Não exatamente, Susana. Deixe-me explicar. Observe que na passagem que você mencionou, 1 Coríntios 1:10, Paulo não disse aos crentes para ter uniformidade de crença, mas antes, para serem: “unidos na mesmamaneira de pensar.” Acha que é possível para um grupo de pessoa ser “unidos na mesma…maneira de pensar”, sem terem absoluta uniformidade nas suas crenças? Por exemplo, Susana. Suponha que você e o seu marido estavam a ter desentendimento sobre se você deve comer maçãs ao pequeno-almoço. Agora, a Bíblia diz que tanto os maridos como as esposas, por estarem unidos pelo matrimónio, são como “um,” mas significa isso que você é obrigada a gostar tanto de maçãs como o seu marido? 

SUSANA: Claro que não, Isabel. Eu estou em união com o meu marido, mas isso não significa que não tenhamos as nossas diferenças de opinião em determinados assuntos. Ele pode gostar de determinados tipos de alimentos ou roupa, dos quais eu não goste particularmente, mas isso não afeta a nossa relação. Nós exercitamos a unidade no nosso casamento, trabalhando em conjunto, apesar das nossas diferenças. Quando um assunto vem a lume em que não estamos em sintonia, eu deixo a cargo da sua liderança e apoio-o na sua decisão, mesmo que discorde do seu ponto de vista. É isto que quer dizer com a diferença entre unidade e uniformidade? 

ISABEL: Sim, Susana, é exatamente disso que eu estou a falar. O que você acabou de descrever sobre o seu relacionamento com o seu marido, é um belo retrato do que é ser “um” na unidade. Enquanto que a uniformidade requer absoluta conformidade em cada aspeto da vida e pensamento, unidade, por outro lado, está mais relacionado com trabalhar em conjunto no meio da diversidade. Dado o contexto da passagem no qual os Coríntios estavam divididos a tal ponto que não podiam trabalhar juntos, pode perceber-se o porquê de Paulo os exortar a pôr de lado as suas diferenças de modo a se unirem pela causa do Reino? 

SUSANA: Sim, eu percebo o seu ponto de vista Isabel, mas não compreendo como os Cristãos podem trabalhar juntos em unidade se discordarem em assuntos espirituais? 

ISABEL: Susana, lembra-se da disputa que os crentes Coríntios tiveram sobre se um Cristão deveria poder comer carne que foi oferecida em sacrifício a ídolos? Qual foi o conselho de Paulo para os crentes? Fez ele do consumo de carne usada na falsa adoração, uma ofensa punível com desassociação? 

SUSANA: Não, Isabel. De facto, em 1 Coríntios capítulos 8 e 10, Paulo parecia mais preocupado sobre ofender a consciência de um irmão fraco, do que em resolver a disputa por meio de uma política organizacional. 

ISABEL: Tem razão, Susana; e olhe como Paulo abordou esta questão em Romanos 14:1-3:  “Ora, ao que é fraco na fé, acolhei-o, mas não para condenar-lhe os escrúpulos. Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes. Quem come não despreze a quem não come; e quem não come não julgue a quem come; pois Deus o acolheu.”8. Reparou, Susana, como Paulo disse especificamente aos Cristãos para não julgar um irmão que tem uma opinião diferente sobre um assunto? 

SUSANA: Sim, é um bom ponto de vista. Ah, e repare no versículo cinco! Diz: “Um [homem] julga um dia como superior a outro; outro [homem] julga um dia como todos os outros; esteja cada [homem] plenamente convencido na sua própria mente.”9.  Quer isto dizer que os Cristãos têm a liberdade de discordar sobre que dias consideram sagrados? 

ISABEL: É isso mesmo, Susana. Alguns dos crentes observavam todos os feriados judaicos e outros não. A resposta de Paulo a isto foi “esteja cada [homem] plenamente convencido na sua própria mente.” Você pode ver como, longe de impor conformidade organizacional a um sistema uniforme de crenças, o verdadeiro Cristianismo permite a liberdade em questões periféricas desde que haja unidade nos ensinamentos centrais concernentes ao Reino ? 

SUSANA: Sim, percebo o seu raciocínio, Isabel. 

ISABEL: Uma vez que a organização Torre de Vigia não dá liberdade para discordar de nenhuma das suas doutrinas e políticas, entende porque a minha mãe está preocupada  que a organização Torre de Vigia seja uma seita? 

SUSANA: Eu posso compreender a preocupação dela, Isabel, mas eu não seria tão rápida em ver as Testemunhas de Jeová como uma seita. Há muitos outros aspetos que a Sociedade examinou nesse artigo da Sentinela de 1994. Podíamos discuti-los na próxima semana? 

ISABEL: Claro, Susana. Estarei aqui.

COMENTÁRIOS:

Amigos, Colossenses 2:16-17 adverte: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo.”10.

bullets Próximo capítulo

=========

1. O Que Deus Requer de Nós?, 1996, pág.9, parág. 7
2. A Sentinela, 15 Fevereiro, 1994, págs. 4, 6
3. A Sentinela, 1 Novembro, 1956, pág. 648 (edição em inglês)
4. A Sentinela, 15 Julho, 1983, págs. 22, 27
5. 1 Tessalonissenses 5:21, Tradução do Novo Mundo
6. João 17:21
7. 1 Corintios 1:10, A Tradução do Novo Mundo
8. João Ferreira de Almeida Atualizada
9. Tradução do Novo Mundo
10.Almeida Revista e Atualizada

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: EspanholTchecoInglês