A História da Saída de Kevin das Testemunhas de Jeová e a Homosexualidade

kevin

.: O TESTEMUNHO DE KEVIN

Em tenra idade, Kevin sabia que era diferente dos outros rapazes. Quando a sua mãe o chamou de um “ANIMAL” e o tentou matar, os seus sentimentos de rejeição foram confirmados. “De onde vêem estes sentimentos homossexuais? Será que nasci assim?” perguntou Kevin. Procurando ajuda de um ancião Testemunha de Jeová, foi-lhe dado um livro da Torre de Vigia para ler de modo a “consertar” seus sentimentos, mas nada resultou! Após 15 anos de relacionamentos gay com mais de 100 homens, Kevin apelou a Deus por libertação e experimentou o sobrenatural, transformador de vidas, perdão de Jesus Cristo que o curou da homossexualidade e o libertou do engano da ideologia das Testemunhas de Jeová.

Link Visite os artigos de Kevin

Nasci em Connecticut (EUA), como o mais novo de quatro filhos, em 1955, quando a gasolina ainda era a $0,39 por “galão”. Nesse tempo, a cultura era que as pessoas não falavam sobre sentimentos homossexuais. Era um tabu até mesmo insinuar tais coisas. Quando a palavra “gay” era usada, as pessoas não pensavam na homossexualidade. Em vez disso, elas iriam pensar em ser “feliz” ou em ter um momento “alegre”, como num festival. Então, as pessoas não diziam: “ele é esquisito” ou “ele é diferente”. Se alguém usasse o termo “esquisito”, faria você sentir que era realmente uma aberração da natureza. E você seria totalmente banido da sociedade. Assim, para serem delicadas, as pessoas iriam dizer apenas: “Ele é um DAQUELES”.

A minha mãe não sabia como demonstrar afeto. Nem uma única vez ela me afagou, me abraçou ou me disse que me amava. A minha primeira lembrança dela, é uma declaração em que ela me disse:

“Você foi um erro. Quem me dera que eu nunca tivesse tido você. Você me faz lembrar uma BESTA!”

 Eu tinha apenas cerca de seis ou sete anos de idade na época, quando ela me fez esta afirmação. Lembro-me de sentir rejeição, ódio, depressão, mas eu simplesmente não poderia explicar estes sentimentos, porque eu era muito jovem. Tudo o que posso dizer é que eu podia sentir estas emoções vindo sobre mim.

Quando eu tinha oito anos de idade, esses sentimentos foram confirmados, de que ela realmente não me queria ou gostava de mim, porque ela tentou colocar-me num forno na noite de Acção de Graças. Eu ferozmente lutei e finalmente fui capaz de me libertar das mãos da minha mãe, enquanto o meu pai ficou lá, olhando. O meu pai não era nada masculino. A minha mãe governou a casa com uma barra de ferro, e tudo o que ela disse se fez. Mesmo tudo!

Enquanto o meu irmão e as minhas duas irmãs tinham os seus próprios quartos, eu dormi com a mãe e o pai no seu quarto até que eu tinha 13 anos de idade. A cerca da idade de seis ou sete anos, fui violado pelo meu dentista masculino enquanto ele me tinha sedado. Eu não tinha nenhum modelo masculino a seguir. Eu até me lembro de assistir ao meu irmão colocar maquilhagem antes de ir a festas, e uma vez que o meu pai não me ligava nenhuma, o meu irmão era a única imagem masculina que eu tinha com que me identificar.

A escola não passava de um pesadelo por causa da falta de companhia masculina e porque eu não sabia como me relacionar com os meninos da minha idade. Visto que o meu pai nunca se relacionou comigo, olhei para outro homem para preencher essa lacuna. O desejo de ter amigos do sexo masculino normais, jogar futebol, e lutar, fazer coisas que os meninos fazem, nunca foi permitido. Em vez disso, comecei a me relacionar com meninas.

A minha mãe levou-me a todos os lugares com ela. Eu fui forçado a segui-la, como se eu fosse a sua sombra. Ela me manteve em cativeiro para ajudá-la com as coisas dela. Ela comprava-me coisas de menina para brincar, como bonecas e refrigeradores de brincar. Ela fez-me tricotar coisas para ela. Enquanto isso, o meu pai era um objeto que estava lá, mas nunca interagiu comigo. Em vez disso, a minha mãe empurrava-o como um garotinho. Portanto, eu não tinha ideia de como interagir com outros homens de uma maneira saudável. Isso deixou um vazio dentro de mim.

À medida que eu entrei na puberdade, eu percebi que estava olhando para os homens de uma forma diferente, com um forte desejo de estar com eles. Durante a puberdade, estes sentimentos tornaram-se erráticos e sexuais. Então, comecei a fantasiar acerca de homens. Enquanto eu tentava me aproximar de rapazes, eles começaram a dizer-me que eu era feminino e usavam a palavra “bicha”. Então, eu assumi o rótulo de “bicha” e pensei em mim dessa forma. Eventualmente, eu tentei o suicídio e comecei a cortar os meus braços com lâminas de barbear, fazendo coisas auto-destrutivas como esta, porque eu realmente me odiava.

Aos treze anos, tive um colapso mental. Eu fui levado para longe dos meus pais e colocado num hospital psiquiátrico estadual. No início, isto confirmou-me que eu realmente era a aberração da natureza que a minha mãe disse que eu era. Mas enquanto eu estava no hospital, a minha família e eu passámos por um programa de terapia intensa. Eu fiquei no hospital por quatro meses antes de ter alta.

A fim de ser capaz de ir para casa, os meus pais foram obrigados a me dar o meu próprio quarto. Isso aconteceu quando o meu irmão e irmã saíram de casa. O aconselhamento me ajudou a reconhecer que as coisas não eram para ser do modo que a minha mãe tinha projetado e que um pai deve ter um vínculo com o seu filho. Então, no momento em que eu saí, percebi que eu não era um “monstro” ou uma “aberração” da natureza e que Deus não estava lá em cima em algum lugar “me amaldiçoando” e “fazendo-me desta maneira”. No entanto, o aconselhamento não fez nada em relação aos meus sentimentos homossexuais. Por essa altura, o movimento gay estava começando a ganhar vida e a palavra “gay” tinha começado a mudar de significado, para se referir à homossexualidade.

Eu fui liberado do hospital e fui capaz de retomar o meu último ano de escola. Eu tinha o que achava que era um novo começo na vida, novos amigos e pessoas que não sabiam sobre o meu passado. Eu até mesmo comecei a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová que vieram à minha porta para que eu pudesse chegar mais perto de Deus. Mas uma coisa me deixou intrigado. Em tudo isso, eu ainda tinha sentimentos pelo mesmo sexo. Eu me perguntava: “Por que não foram estes sentimentos ir embora?”

Eu fui a um psiquiatra para ver se havia um medicamento que eu pudesse tomar para me fazer heterossexual. Ele me disse que não existia nenhum medicamento assim, e que eu só precisava me aceitar com os meus sentimentos do modo que eram. Como eu fui até à universidade, fiz novos amigos encobrindo os meus sentimentos e me escondendo atrás do levantamento de peso. Eu construí a mim mesmo ao ponto em que era muito grande em estatura para que os meus amigos me aceitassem e não suspeitassem que eu tinha algumas tendências homossexuais.

Eu tinha muitos amigos que jogavam futebol. Como eu ganhei aceitação entre os atletas por causa do meu tamanho muscular, nos tornámos amigos e companheiros. Eventualmente, nós tentámos sexo juntos e apesar de ter sido apenas um par de vezes, dentro de mim eu estava furioso com sentimentos homossexuais. Então, aos 16 anos de idade, eu comecei a deixar sair os meus sentimentos e fui ao meu primeiro bar gay. Era para pessoas com mais de 16 e menos de 21 anos de idade, porque não era permitido beber neste bar.

Neste ponto da minha vida, eu realmente acreditava que eu tinha nascido “gay”. Então, comecei a procurar diferentes meios de mudar o meu sexo de masculino para feminino, a fim de justificar a minha tendência homossexual. Eu pensava que se eu pudesse mudar de género para uma mulher, eu seria então, livre para desfrutar de sexo com homens e ser aceite na cultura.

A única coisa que me impediu de passar por uma cirurgia para mudar o meu género foi o fato de que eu sabia que internamente nasci homem. Por exemplo, eu podia ver que a minha anatomia externa era do sexo masculino, não apenas em relação aos meus órgãos sexuais, mas a minha disposição muscular, as minhas características faciais (mesmo sem a barba) e as minhas expressões eram todas do sexo masculino. Internamente, eu sabia que se eu me tornasse um transexual, não iria realmente mudar o meu núcleo numa fêmea. Então, abandonei a ideia da cirurgia de género e continuei as minhas atividades homossexuais.

Enquanto isso, eu ainda estava participando nas reuniões no Salão do Reino e regularmente estudava a Bíblia com as Testemunhas de Jeová. Eu me sentia tão culpado sobre a minha vida dupla e o fato de que os meus sentimentos não estavam indo embora. Eu simplesmente não conseguia me sentir atraído ao sexo oposto. Foi o meu segredo mais profundo, mais escuro. Finalmente, eu me aproximei de um ancião das Testemunhas de Jeová para tentar obter alguma ajuda para os meus sentimentos. Tudo o que ele fez foi dar-me um livro intitulado As Testemunhas de Jeová no Propósito Divino, e disse-me para lê-lo. Depois de uma semana, ele perguntou se os meus sentimentos tinham ido embora. É claro, nada tinha acontecido, mas eu continuei a estudar com as Testemunhas de Jeová, porque eu não sabia mais o que fazer que pudesse ajudar.

Depois de mais um ano de estudo com as Testemunhas de Jeová, eu orei a Jeová e pedi-lhe para me mostrar a verdade, porque os meus sentimentos não estavam indo embora. Orei não só a Jeová, mas a Jesus, a Maria, a Buda e a qualquer outro “deus” ou “santo” de que me lembrei de rezar, para ter a certeza de que eu estava cobrindo todos os caminhos espirituais e perguntei:

“Será que as Testemunhas de Jeová têm a verdade? Ou o catolicismo? Ou o Budismo, etc.?”

Logo após esta oração, uma senhora veio até mim e me perguntou se eu tinha aceitado Jesus Cristo como meu Salvador. Eu disse: “Não, na verdade nunca”. Então, ela me convidou para ir à sua igreja, e uma semana depois eu fui falar com o pastor sobre a minha homossexualidade. Ele respondeu, colocando a mão na minha cabeça e repreendendo “o espírito da homossexualidade” que, segundo ele , precisava sair do meu corpo. Eu fui embora envergonhado porque senti que nada tinha acontecido comigo, mas agia como se alguma coisa tivesse acontecido, para não deixar o pastor ficar mal.

Eu frequentava a igreja regularmente e estudava a Bíblia com eles. Era uma Igreja que negava a Trindade e era muito legalista com um monte de regras a seguir. Isso chamou-me à atenção por causa do meu passado de Testemunha de Jeová. No entanto, embora tenha aceitado Cristo nesta igreja, não era o verdadeiro Jesus da Bíblia.

Os meus sentimentos homossexuais nunca me deixaram, mas eu parei de ir a bares gays e continuei com a campanha de ser “aceite” escondendo-me atrás do culto do corpo para parecer masculino. A igreja ainda fez circular a minha história de libertação nos jornais locais, e eu fui caracterizado num programa de TV. Casei com uma mulher na igreja e obriguei-me a corresponder a ela. Tivemos dois filhos e vivemos o que parecia para os outros como uma vida normal e feliz por cerca de quatro ou cinco anos, mas foi tudo um encobrimento.

A minha esposa era muito controladora e fisicamente e emocionalmente abusiva. Como a sua violência e raiva escalavam para mim e nossos filhos, ela virou-se para o pastor e os outros na igreja para ajudar. Mal sabia eu que o pastor iria confortá-la de braços abertos e dizer-lhe como eu estava errado e que ela não deveria ouvir-me, porque eu estava sendo enganado por um “espírito”. Isso criou um grande abismo entre nós, e como ela se afastou do nosso relacionamento, os meus sentimentos homossexuais por outros homens tornou-se mais forte.

No desespero para salvar o nosso casamento, eu pus-me de joelhos e implorei-lhe para começarmos de novo, mudando de igreja e considerando a possibilidade de nos deslocarmos para fora do estado. Ela recusou terminantemente e insistiu em ficar com o sistema de apoio que ela teve na sua igreja. Então, um dia cheguei a casa do trabalho para encontrar um de nossos filhos com nódoas negras de ser espancado pela minha esposa. Essa foi a gota que fez transbordar o copo. Eu tinha que fazer alguma coisa para evitar que a mesma coisa que aconteceu comigo ao crescer, acontecesse com os nossos filhos. Relatei o abuso às autoridades, divorciei-me da minha esposa, e ganhei a custódia legal total dos meus filhos.

Como atleta, eu nunca pensei que iria tomar uma aspirina para a dor, muito menos começar a usar drogas. Mas quando alguém me deu a minha primeira bebida alcoólica e algumas drogas, fui imediatamente tomado pelo sentimento de liberdade da minha dor. Foi a primeira vez na minha vida que senti uma sensação de euforia. Deixei a minha carreira como atleta e comecei a brincar com drogas e álcool. Enquanto eu estava sob a influência das drogas, a dor parecia ir embora, mas era apenas temporário. Envolvi-me com drogas e álcool e corri para dentro e fora dos relacionamentos homossexuais, até que tinha 43 anos.

Depois de mais de 100 relacionamentos com homens, eu podia ver o prejuízo que isso fez no meu corpo físico e no dos outros homens que estavam envolvidos nessas atividades comigo. A devastação que testemunhei em outros era tão ruim que eu não queria que o meu corpo se deteriorasse a esse nível. Eu sabia que Deus não criou o corpo humano para isso! Um dia, eu gritei a Deus dizendo:

“Você não está aí? Você não pode libertar-me?”

Foi então no meio da noite, quando eu estava chorando por ajuda, que Deus trouxe à minha mente uma lembrança que eu tinha esquecido da minha infância. Lembrei-me do tempo em que eu tinha oito anos e a minha mãe continuava a me bater e havia me jogado contra a parede. Eu tinha prometido no meu eu mais profundo que nunca faria sexo com uma mulher ou casaria com uma. Eu tinha esquecido completamente este voto que eu tinha feito comigo mesmo e tinha bloqueado isso da minha mente, mas este voto que eu subconscientemente realizara dentro de mim foi o que criou a semente de meus sentimentos homossexuais.

Deus abriu os meus olhos para a percepção de que eu carregara esse ressentimento para com a minha mãe e projetara a sua personalidade em cada mulher que tentou se aproximar de mim. Eu estava olhando para a mulher como um ser feio, sem amor, má e dura e tinha irracionalmente reagido a elas com o mesmo ressentimento que eu tinha para com a minha mãe. Eu percebi que esta era uma descaracterização das mulheres em geral e que havia realmente mulheres suaves, carinhosas e gentis lá fora, no corpo de Cristo. Quando eu vi essas mulheres numa igreja cristã que demonstravam verdadeiro amor, bondade e carinho para com os seus maridos, isso me convenceu de que nem todas as mulheres eram dominadoras, mandonas, e possessivas. Deste ponto em diante, os meus sentimentos homossexuais realmente começaram a mudar, e eu comecei a perceber as mulheres e a ter sentimentos por elas.

Eu comecei a ir para o aconselhamento pastoral e consultei um terapeuta profissional para os meus sentimentos homossexuais e abuso de substâncias. Este aconselhamento me ajudou a ver que o problema era que eu nunca tinha perdoado a minha mãe ou o meu pai e as mulheres da minha vida que me feriram. Como eu aprendi a perdoar de coração, os meus sentimentos homossexuais me deixaram completamente juntamente com o ressentimento e a raiva que eu tinha mantido cá dentro por tanto tempo. Eu estou curado e eu sou livre! Obrigado, Jesus!

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á. Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?”—Mateus 7:7-8, 11

A homossexualidade não foi a única coisa que foi curada quando me virei para Deus por ajuda. Ele me mostrou quem é Jesus. Um homem que tinha sido Testemunha de Jeová entrou na minha vida e me deu livros para ler, que expunham o sistema de crenças da organização Torre de Vigia. Ele também apresentou depoimentos de Testemunhas de Jeová que haviam deixado a organização para encontrar o verdadeiro Jesus da Bíblia. Eu percebi que a razão de eu me ter envolvido com essa Igreja foi porque era muito semelhante ao sistema de crenças das Testemunhas de Jeová. Assistir a essa igreja me permitiu manter as minhas crenças e me impediu de encontrar a verdade REAL (João 14:6). Quando eu li esses livros e fiz a minha própria pesquisa na Bíblia, aprendi sobre o VERDADEIRO Deus e a colocar a minha confiança em Jesus. A vida não é fácil, mas eu sou livre e Ele está comigo. O que mais poderia eu pedir?

“Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.”—Jeremias 29:13

 PARA MAIS INFORMAÇÕES VEJA:

Link COMO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ ENCARAM OS TRANSEXUAIS, HOMOSSEXUAIS E LÉSBICAS?

Link  SE JEOVÁ ODEIA HOMOSSEXUAIS, PORQUE ELE ME CRIOU DESTE MODO?

 

Print Friendly, PDF & Email

This post is also available in: Espanhol Inglês